• Apostolado FERR

A Sexta-feira Santa




COMENTÁRIOS LITÚRGICOS SOBRE A

SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO E MORTE DO SENHOR

O Ano Litúrgico

Dom Próspero Gueranger

Jesus condenado por Caifás – O sol banha as paredes e pináculos do templo de Jerusalém. Os Pontífices e Doutores da lei ignoraram seu brilho para satisfazer seu ódio contra Jesus. Anás, que recebeu o primeiro ao prisioneiro divino, ordena que o levem ao seu genro Caifás. O indigno Pontífice se atreveu a interrogar o próprio Filho de Deus. Jesus, desdenhando responder, recebe a bofetada de um servo. Eles haviam preparado falsas testemunhas que vieram declarar suas mentiras diante daquele que é a Verdade última; tentativa inútil, porque o testemunho proferido será contraditório.


Então, o Sumo Sacerdote, vendo que o sistema adotado para convencer Jesus de blasfêmia apenas levou a desmascarar os cúmplices de sua fraude, queria remover da boca do mesmo Salvador o crime que deveria torná-lo justificável pela Sinagoga: “Conjuro-te pelo Deus vivo, que nos diga se tu és o Messias, o Filho de Deus” (Mc 14,61). Esta é a interpelação que o Pontífice dirige a Cristo. Jesus, querendo nos dar um exemplo de submissão à autoridade, quebra seu silêncio e responde com firmeza: “Tu o dizes, eu o sou: E eu vos digo que a partir de agora vereis o Filho do Homem sentado à direita do poder de Deus e vindo sobre as nuvens do céu.” Com estas palavras, o pontífice se levanta e rasga suas vestes, dizendo: “Blasfemou. Que necessidade ainda temos de testemunhas? Acabais de ouvir a blasfêmia. O que vos parece?” Por unanimidade, todos responderam: “É reo de morte”.


O próprio Filho de Deus desceu à terra para chamar à vida o homem que se precipitou para a morte, e o faz pela inversão mais aterradora. O homem, em pagamento de tal benefício, conduz o Verbo divino ao seu tribunal e julga-o culpado de morte. Jesus cala e não aniquila em sua ira esses homens tão ousados ​​e ingratos. Repetimos neste momento as palavras, com as quais a Liturgia Grega interrompe a leitura da Paixão várias vezes hoje: “Glória à vossa Paixão, Senhor”.


Cena de insultos – O grito “réu de morte” mal foi ouvido na praça, quando os servos do Sumo Sacerdote se lançam sobre Jesus. Cospem no rosto dele, vedam-no e dão-lhe tapas dizendo: “Profeta, adivinha quem foi que te bateu” (Lc 22,64). Estas são as homenagens da sinagoga ao Messias, cuja expectativa a deixou tão orgulhosa. A pena recusa-se a transcrever tais ultrajes inferidos ao Filho de Deus, e ainda assim eles não são nada além do exórdio do que o Redentor sofrerá.


A negação de São Pedro – Ao mesmo tempo, uma cena muito mais dolorosa para o Coração de Cristo acontece fora da sala, no Palácio do Sumo Sacerdote. Pedro, que entrou ali, se vê envolvido em uma disputa com os guardas e os companheiros, que o reconhecem por um dos galileus que seguiam Jesus. O Apóstolo, perplexo e temendo por sua vida, covardemente abandona seu Mestre e afirma com um juramento que nunca O conheceu. Um triste exemplo de punição reservada à presunção!


Ó infinita misericórdia de Jesus! Os servos do Sumo Sacerdote arrastaram-no para o lugar onde estava o Apóstolo, quando Ele o viu, lhe deu um olhar de reprovação e perdão. Pedro se humilha e chora. Neste momento deixa o amaldiçoado palácio, doravante arrependido, não será consolado até que tenha visto seu Mestre ressuscitado e triunfante. Que nosso modelo seja este discípulo pecador e convertido nestas horas de compaixão, nas quais a Igreja quer que sejamos testemunhas das tristezas cada vez maiores de nosso Salvador. Pedro se retira porque desconfia de sua fragilidade. Fiquemos nós até o fim, não temos nada a temer: o olhar doce e digno de Jesus que suaviza os corações mais endurecidos está dirigido também a nós.


Os Príncipes dos Sacerdotes, vendo que o dia já estava começando a clarear, estão se preparando para levar Jesus diante do governador romano. Eles formularam sua causa como é feito com um blasfemo. Mas a lei de Moisés, segundo a qual ele deveria ser apedrejado, não pode se aplicar a ele. Jerusalém não é mais livre nem governada por suas próprias leis. O direito à vida e à morte é exercido apenas pelos vencedores e sempre em nome de César.


Como esses Pontífices e Doutores não se lembram do oráculo de Jacó moribundo que declara que o Messias viria, quando o cetro fosse tirado de Judá? Mas uma nuvem de ressentimento cegou-os e não percebem que os maus-tratos que eles dão ao Messias são descritos de antemão nas profecias que leem e de quem são os guardiões.


O desespero de Judas – O boato espalhado pela cidade de que Jesus foi preso hoje à noite e que os preparativos estão sendo finalizados para trazê-lo perante o governador, chega aos ouvidos de Judas. O infeliz adorava o dinheiro, mas não tinha motivos para planejar a morte de seu Mestre. Ele conhecia o poder sobrenatural de Jesus e talvez estivesse iludido com a ideia de que as consequências de sua traição seriam superadas por Aquele a quem os elementos sobrenaturais obedecem. Mas, agora que ele o vê no poder de seus inimigos mais cruéis e tudo anuncia um fim trágico, o remorso toma conta de sua alma. Ele corre para o templo e joga aos pés dos sacerdotes aquelas moedas, o preço de um sangue inocente. Parece que se converteu e implorará perdão. Mas, infelizmente, nada disso. O desespero é o último sentimento que lhe resta e quer colocar fim aos seus dias o mais rápido possível. A recordação das chamadas, daquelas batidas que Jesus deu nas portas do seu coração no jantar do dia anterior e no jardim, serve-o apenas como um estímulo para perpetrar um segundo crime. Ele duvidou da misericórdia, para ele seu pecado não poderia ser apagado e correu para a condenação eterna no mesmo momento, quando o sangue imaculado começou a fluir.


Jesus diante de Pilatos – Então, os Príncipes dos Sacerdotes aparecem diante de Pilatos, carregando Jesus acorrentado, e pedem para ser ouvidos em um assunto criminal. O governador se apresenta em público e diz com certa ira: “Que acusação trazem contra esse homem?”. “Se não fosse um criminoso, não o teríamos entregue a ti”. O desprezo e a raiva refletem-se nas palavras do governador e na impaciência da resposta dos sacerdotes. Pilatos parece pouco se importar em ser o ministro de sua vingança: “Levai-o, diz ele, e julgai-o de acordo com vossas leis”, mas esses homens sanguinários respondem que não é permitido “tirar a vida de ninguém” (Jo 18,29-32). Pilatos, que fora ao pretório para falar aos inimigos do Salvador, entra e manda que Jesus seja apresentado. O Filho de Deus e o representante do mundo pagão estão face a face. “Tu és o rei dos judeus?”, Pergunta Pilatos. “Meu reino não é deste mundo”, responde Jesus, não tem nada a ver com os reinos formados pela violência, sua origem não é daqui de baixo. “Se meu reino fosse deste mundo, meus exércitos não teriam me deixado cair nas mãos dos judeus.” Em breve, por sua vez, exercerei o império terrestre, mas, neste momento, meu reino não é daqui de baixo. “Então, tu és rei?”, volta a interrogar Pilatos. “Sim, eu sou rei”, responde o Salvador. Depois de ter confessado sua augusta dignidade, o Homem-Deus faz um esforço para elevar o romano acima dos interesses vulgares, propõe algo mais digno do que buscar as honras da terra. “Eu vim a este mundo”, diz ele, “para dar testemunho da Verdade, quem é da Verdade escuta a minha voz”. “E o que é a verdade?”, Pergunta Pilatos, e, sem esperar pela resposta, sai logo e deixa Jesus, vai buscar os acusadores: “Não encontro nenhum crime neste homem”, diz ele. O pagão pensava ter encontrado em Jesus um médico de alguma seita judaica cujos ensinamentos não valiam a pena ouvir e não apenas isso, mas, ao mesmo tempo, via nele um homem inofensivo em quem não era possível, sem injustiça, procurar um homem perigoso.


Diante de Herodes – Ele dificilmente expressou sua opinião favorável a Jesus, quando os Príncipes dos Sacerdotes começaram a acusar o Rei dos Judeus. O silêncio de Jesus, em meio a tantas mentiras, silencia o governador. “Não ouves, diz ele, como te acusam?” Essas palavras de interesse visível, não desprezam Jesus em seu silêncio digno, mas provocam em seus inimigos uma nova explosão de fúria: “Ele perturba o povo, ensinando em toda a Judéia, começando da Galiléia até aqui”, gritam freneticamente os Príncipes dos Sacerdotes.


Ouvindo o nome da Galileia, ele pensou ter visto um raio de luz. Herodes, Tetrarca da Galiléia, está em Jerusalém. É necessário encaminhá-lo Jesus, seu súdito, essa cisão da causa criminosa livraria o governador e ao mesmo tempo restauraria a harmonia entre ele e Herodes. O Salvador é arrastado pelas ruas da cidade, do pretório até o palácio de Herodes. Seus inimigos o seguem com a mesma raiva, mas Jesus fica em silêncio. Ele recebe nada além do desprezo de Herodes, o assassino de João Batista, logo os habitantes de Jerusalém o vêem em trajes de louco e o levam novamente diante de Pilatos.


Barrabás – Este reaparecimento inesperado do acusado é muito contrário a Pilatos, mas ele acha que encontrou um novo meio de se livrar dessa causa que é odiosa para ele. A festa da Páscoa lhe dá uma oportunidade de perdoar um culpado: Ele quer que esse favor caia sobre Jesus. A cidade fica amotinada nas portas do Praetorium. Ele colocará Jesus, o mesmo Jesus que alguns dias atrás a cidade inteira recebeu em triunfo, em paralelo com Barrabás, o malfeitor, uma pessoa odiosa em Jerusalém: a escolha do povo não pode ser favorável senão a Jesus. “Quem quereis que fique livre: Jesus ou a Barrabás?”, pergunta ele. A resposta não se faz esperar, vozes tumultuosas gritam: “Não Jesus, mas Barrabás”. “E o que farei com Jesus?” E a ralé corta as últimas palavras do governador e grita freneticamente: “Crucifica-o, crucifica-o!” “Mas que mal ele fez? Eu vou puni-lo e libertá-lo”. "Não, crucifica-o!”


A flagelação – A prova não foi bem sucedida e a situação do covarde governador é mais crítica do que antes. Em vão, ele tentou abaixar o inocente ao nível de um malfeitor; a paixão de um povo ingrato e agitado não teve nenhum relato disso. Pilatos é forçado a prometer que punirá Jesus de maneira bárbara, para saciar um pouco a sede de sangue que devora a população; mas serve apenas para provocar um novo grito de morte. Não vamos mais longe sem oferecer uma reparação ao Filho de Deus pelos ultrajes a que ele acaba de ser submetido. Comparado a um infame, este é o preferido. Se Pilatos deseja salvá-lo, por compaixão, é com a condição de fazê-lo sofrer essa comparação vergonhosa, o que seria fútil.


As vozes que cantavam Hosana ao Filho de Davi há alguns dias não proferem agora senão uivos ferozes, e o governador, temendo uma sedição, prometeu punir aquele cuja inocência acabou de confessar. Jesus é entregue aos soldados para ser flagelado: Ele é violentamente despido de suas vestes e amarrado à coluna que serviu para essas execuções. Os chicotes mais cruéis atravessam seu corpo e o sangue, esse sangue imaculado, atravessa seus membros divinos. Recolhamos este segundo derramamento de sangue, pelo qual Jesus expia todas as indulgências e crimes da carne de toda a humanidade. É a mão dos gentios que lhe dá esse tratamento, são os judeus que O entregam e os romanos são os executores, mas todos nós participamos do deicídio.


A coroação de espinhos – Os soldados estão cansados ​​de bater Jesus e os executores desatam sua vítima. Eles terão compaixão Dele? Não! A tal crueldade seguirá um escárnio sacrílego. Jesus foi chamado Rei dos Judeus e os soldados aproveitam o título para dar uma nova forma aos seus ultrajes. Um rei usa uma coroa e os soldados vão impor isso ao Filho de Davi. Tecendo, apressadamente, um diadema com galhos espinhosos, prendem-no na cabeça e, pela terceira vez, corre o sangue de Jesus. Então, para completar a ignomínia, colocaram nas costas um manto de púrpura e nas mãos uma cana, como um cetro. Então eles se ajoelham diante dele e dizem: “Salve, rei dos judeus!” Mas sua crueldade não parou por aí: como acompanhamento a essa insultante homenagem, cuspiram na cara dele e riram alto; de vez em quando puxam a cana de suas mãos para bater na sua cabeça, e dessa maneira cravam mais os espinhos.


Homenagem reparadora – Diante deste espetáculo, o cristão se prostra em doloroso respeito e diz, por sua vez: “Salve, Rei dos Judeus! Sim, Vós sois o Filho de Davi, nosso Messias e nosso Redentor”. Israel não reconhece vosso reinado que proclamava não há muito, e a gentilidade encontrou meios de vos ultrajar; mas vós reinareis pela justiça em Jerusalém, que em breve sentirá os golpes de vosso cetro vingador; por misericórdia sobre os gentios, que em breve os apóstolos trarão aos vossos pés. Recebei nossa homenagem e nossa submissão, reinai a partir de hoje em nossos corações e em toda a nossa vida”.


Ecce Homo – Jesus é levado a Pilatos no estado em que deixou a crueldade dos soldados. O governador não duvida que uma vítima em tal estado não encontrará graça diante do povo; mandando Jesus para uma galeria no palácio mostra à multidão dizendo: “Ecce Homo – Eis o Homem.” Esta palavra foi mais significativa do que Pilatos acreditava. Ele não disse: Contemple a Jesus e veja o Rei dos Judeus. Ele usou uma expressão geral da qual não tinha a chave; e o cristão possui seu conhecimento. O primeiro homem em sua revolta contra Deus havia perturbado com seu pecado todo o trabalho do Criador; em punição por seu orgulho e ganância, a carne havia subjugado o espírito, e a própria terra, como uma maldição, produzia apenas espinhos. O novo homem que levou, não a realidade, mas a aparência do pecado, aparece. O trabalho do Criador volta a tomar sua antiga harmonia com Ele; mas é através da violência. Para demonstrar que a carne deve estar sujeita ao espírito, sua carne é açoitada com chicotes; para mostrar que o orgulho deve ceder seu lugar à humildade, tem uma coroa formada pelos espinhos da terra amaldiçoada. Triunfo do espírito sobre os sentidos, desânimo da vontade arrogante sob o jugo da sentença. Eis o homem.


Jesus e Pilatos – Israel é como o tigre, a visão do sangue excita sua sede e não é feliz enquanto não se banhar nele. Assim que vê sua vítima ensanguentada, grita com uma nova fúria: “Crucifica-o, crucifica-o!” “Tudo bem!”, diz Pilatos, “levai-o e o crucifiquem. Eu não encontro nele crime algum”. E ainda, por sua ordem, Jesus foi colocado em tal estado que, só isso, já podia causar sua morte. Sua covardia será interrompida. Os judeus respondem invocando o direito que os romanos deixam aos povos conquistados. “Temos uma lei e de acordo com essa lei Ele deve morrer, porque se proclama Filho de Deus.” Por causa dessa afirmação, Pilatos fica perturbado e volta para a sala com Jesus e diz: “De onde és Tu?” Jesus fica calado, Pilatos não foi digno de ouvir o Filho do Homem dar-lhe razão para a sua origem divina.


Pilatos fica irritado: “Não me respondes?”, diz ele: “Não sabes que eu tenho o poder de te crucificar e te absolver?” Jesus se digna a falar para nos ensinar que todo poder de governo, mesmo entre os infiéis, vem de Deus e não do que é chamado de pacto social. “Não terias esse poder se não te fosse dado do alto, portanto o pecado daquele que me entregou a ti é maior”. A nobreza e a dignidade dessas palavras subjugam o governador, que ainda quer salvar Jesus. Mas os gritos do povo voltam-se contra ele: “Se soltá-lo não és amigo de César, pois todo aquele que se torna Rei se levanta contra César”.


Para essas palavras Pilatos, tentando uma última vez mover esse povo furioso em piedade, sai novamente e sobe para um palco ao ar livre; se senta e ordena que Jesus seja conduzido: "Veja, o seu rei, veja se César tem que temer algo de sua parte.” Mas os gritos aumentam: “Tirai-o daqui, fora, crucifique-o”. “Mas eu hei de crucificar o vosso rei?”, diz o governador, que parece não ver a gravidade do perigo. Os pontífices respondem: “Não temos outro rei senão César”. Uma palavra indigna de que, quando ele sai do santuário, anuncia ao povo que a fé está em perigo; ao mesmo tempo, palavra de reprovação para Jerusalém, porque se não há outro rei senão César, o cetro ainda não está em Judá e chegou a hora do Messias.


Jesus condenado por Pilatos – Pilatos, vendo que a sedição atingiu o ápice e que sua responsabilidade como governador é ameaçada, determina deixar Jesus nas mãos de seus inimigos. Apesar de si mesmo, ele dita a sentença que logo deve produzir em sua consciência um remorso que do qual tentará se libertar com o suicídio. O mesmo traçou em uma tábua a inscrição que deve ser colocada sobre a cabeça de Jesus. Mais ainda; concede ao ódio dos inimigos do Salvador, por maior ignomínia, que sejam crucificados com os dois ladrões. Este fato foi necessário para cumprir o oráculo profético: “Ele será contado entre os criminosos” (Mt 27,24-25); e depois que acaba de manchar sua alma com o mais odioso dos crimes, lava as mãos publicamente, ao mesmo tempo em que grita na presença do povo: “Eu sou inocente do sangue desse homem justo, isso é lá convosco.” E todo o povo responde com esse anseio: “Seu sangue cai sobre nós e sobre nossos filhos”.


Este foi o momento em que o parricídio foi impresso na frente do povo ingrato e sacrílego, como no passado de Caim. Dez ou nove séculos de servidão, miséria e desprezo ainda não a apagaram. Nós, filhos dos gentios, sobre os quais este sangue divino desceu como um orvalho misericordioso, agradeçamos ao Pai celestial que “amou tanto o mundo que deu o seu único Filho”. Agradeçamos o amor deste Filho único de Deus, que, vendo que nossas manchas não podiam ser lavadas senão em seu sangue, dá-nos hoje, até a última gota.


A Via dolorosa – Aqui começa a Via dolorosa, e o Praetorium de Pilatos, no qual a sentença de Jesus foi pronunciada, é a primeira estação. O Redentor é abandonado aos judeus pela autoridade do governador. Os soldados O prendem e conduzem para fora do pátio do pretório. Tiram o manto de púrpura e vestem-no com as próprias roupas que o levaram para flagelá-lo; finalmente eles carregam a cruz nas costas rasgadas. O lugar onde o novo Isaac recebeu a madeira do seu sacrifício é designado como a segunda estação. O esquadrão de soldados, reforçado com os carrascos, com os príncipes dos sacerdotes, com os doutores da lei e com muita gente, se coloca em marcha. Jesus avança sob o peso da cruz, mas de uma só vez, fraco, por causa do sangue que perdeu e pelos sofrimentos de todos os tipos, não pode se sustentar e cai sob o peso, sinalizando assim com sua queda a terceira estação.


Encontro de Jesus com sua sua Mãe – Os soldados levantam com brutalidade o cativo divino que sucumbiu, mais ainda sob o peso de nossos pecados, do que sob o instrumento de sua provação. Ele acaba de retomar sua marcha hesitante e imediatamente encontra sua mãe chorosa. A mulher forte, cujo amor materno é invencível, saiu para encontrar seu Filho; ela quer vê-lo, segui-lo, juntar-se a ele até que expire. Sua dor está acima de toda ponderação humano. As ansiedades destes últimos dias esgotaram sua força; todos os sofrimentos de seu Filho foram manifestados a ela por revelação; tem sido associada com eles e suporta todos e cada um em particular.


No entanto, ele não pode ficar longe da visão dos homens por mais tempo; o sacrifício avança em seu curso, sua consumação se aproxima. É necessário estar com seu Filho e nada pode impedi-la neste momento. Madalena está perto dela chorosa; João, Maria, mãe de Santiago e Salomé, também a acompanham; eles clamam por seu Mestre, mas ela chora por seu Filho. Jesus os vê e não pode consolá-los, porque tudo isso é apenas o começo das dores. O sentimento de agonia que o coração da mais terna das mães experimenta neste momento acaba oprimindo com um novo peso o coração do mais carinhoso dos filhos. Os carrascos não concederam um momento de espera na marcha, em favor da mãe de um condenado; se quiser, pode seguir a triste procissão. No entanto, o encontro de Jesus e Maria no caminho do Calvário marcará a quarta estação para sempre.


O Cirineu – A estrada ainda é longa, porque, de acordo com a lei, os criminosos tiveram que sofrer o suplício fora da cidade. Os judeus temem que a vítima expire antes de chegar ao local do sacrifício. Um homem que retorna do campo, chamado Simão de Cirene, encontra a dolorosa procissão; ele está parado; e por um sentimento cruelmente humano em relação a Jesus, ele é forçado a compartilhar com Ele a honra e a fadiga de carregar o instrumento da salvação do mundo. Esta reunião de Jesus com Simão Cirineo dá origem à quinta estação.


A Santa Face – A poucos passos dali, um incidente inesperado cheio de admiração e estupor para os executores. Uma mulher atravessa a multidão, separa os soldados e vai em direção do salvador. Ela segura nas mãos o véu que desdobrou e enxuga o rosto de Jesus com a mão trêmula, desfigurada por sangue, suor e tapas. Apesar disso, o reconheceu porque o ama; e ela não temeu expor sua vida para oferecer este pequeno alívio. Seu amor será recompensado, a face do Redentor é milagrosamente impressa na no véu, que será daqui em diante seu tesouro mais precioso, e ela tem a glória de apontar com seu intrépido ato a sexta estação da Via Dolorosa.


Jesus se compadece de Jerusalém – Com tudo isso, a força de Jesus enfraquece cada vez mais, à medida que o termo fatal se aproxima. A fraqueza súbita derruba ao chão – pela segunda vez – a vítima e aponta para a sétima estação. Jesus é então levantado violentamente por soldados e caminha de volta para o caminho que é pulverizado com o seu sangue. Tais ofertas indignas excitam os gritos e lamentações de um grupo de mulheres que, movidas com compaixão pelo Salvador, colocaram-se atrás dos soldados e ignoraram seus insultos. Jesus, emocionado com o amor dessas mulheres, que, apesar da fraqueza do seu sexo, mostrou mais magnanimidade que todo o povo de Jerusalém, dirige-lhes um olhar amável, e tendo toda a dignidade da língua do Profeta prediz, na presença dos Príncipes dos Sacerdotes e dos Doutores da Lei, a punição que se seguirá imediatamente após o ataque de que são testemunhas e que chorarão com lágrimas copiosas. “Filhas de Jerusalém, não choreis por mim, chorai por vós mesmas e pelos vossos filhos, porque dias virão em que se dirá: Felizes as estéreis e as que não amamentam! Dirão, então, às montanhas: ‘Caiam sobre nós, e às colinas, cubram-nos’; e se hoje tratam assim o tronco verde, como então será tratado seco?”


Chegada ao calvário – Finalmente alcançam a colina do Calvário, Jesus ainda deve escalá-lo antes de chegar ao lugar de seu sacrifício. Pela terceira vez, seu extremo cansaço faz com que caia no chão e santifique o lugar que os fiéis venerarão como a estação nona. O soldado bárbaro intervém novamente para forçar Jesus a retomar sua dolorosa marcha e, após alguns passos, finalmente chega ao topo desta colina que servirá de altar ao mais sagrado e poderoso dos holocaustos. Os executores tomam a cruz e a estendem pelo chão, esperando amarrar a vítima a ela. Antes, de acordo com o uso dos romanos, que também era praticado pelos judeus, um copo contendo vinho misturado com mirra foi oferecido a Jesus. Esta bebida que tinha o amargor do fígado, era um narcótico para entorpecer os sentidos do paciente até certo ponto e diminuir as dores de seus tormentos.


Jesus aproxima um momento para seus lábios essa bebida que lhe oferecem mais por hábito do que por humanidade; mas ele se recusa a beber, querendo sofrer sem qualquer mitigação, todos os tormentos que se dignou a aceitar para a salvação dos homens. Então os executores tiraram-lhe as vestes, já presas às suas feridas, e prepararam-se para levá-lo ao lugar onde a cruz o espera.


O lugar do Calvário em que Jesus foi assim despojado, e onde foi presenteado com a bebida amarga, é designado como a décima estação da Via Dolorosa. Os nove primeiros ainda podem ser vistos nas ruas de Jerusalém, desde o lugar do pretório até os pés do Calvário; a última, por outro lado, e as quatro seguintes estão dentro da Igreja do Santo Sepulcro, que encerra em seu vasto recinto o teatro das últimas cenas da Paixão do Salvador.


Mas vamos suspender nossa história, já avançamos um pouco as horas deste grande dia e depois voltaremos novamente ao Calvário. Agora vamos nos unir à Santa Igreja na função com a qual ela se prepara para celebrar a morte do Senhor.



SOLENE FUNÇÃO LITÚRGICA DA SEXTA-FEIRA SANTA

DA PAIXÃO E MORTE DO SENHOR

O Ofício Divino desta tarde está dividido em quatro partes, cujos mistérios explicaremos por sua vez. Primeiro, há Lições, em seguida as Orações, depois a Adoração da Cruz e finalmente a Comunhão. Estes ritos fora do costume anunciam ao povo a grandeza deste dia e ao mesmo tempo o fazem sentir a suspensão do Sacrifício diário que substituem. O altar está nu, sem uma cruz, ou castiçais, o atril do evangelho sem um pano. Recitada a Hora Nona, o celebrante se adianta com seus ministros, os paramentos pretos expressam o combate da Santa Igreja. Ao pé do altar, eles se prostram nos degraus e rezam em silêncio por algum tempo, e depois de uma oração, começam as lições.


I

AS LEITURAS


A primeira parte deste ofício começa com a leitura de dois trechos dos Profetas e a História da Paixão de acordo com São João.


Na primeira dessas leituras extraídas do Profeta Oséias (V, 15 e VI, 1-5), o Senhor anuncia seus desígnios misericordiosos para seu novo povo, o povo gentio, que estava morto e que, depois de três dias, deve ressuscitar com aquele Cristo que ainda não conhece. Efraim e Judá serão tratados de maneira diferente; seus sacrifícios materiais não apaziguavam um Deus, que não ama senão a misericórdia e que unicamente rejeita os de coração duro.


A segunda leitura é retirada do Êxodo e coloca diante de nós o símbolo do Cordeiro da Páscoa, no momento em que a figura desaparece diante da realidade. Este cordeiro é impecável como Emmanuel; seu sangue preserva da morte aqueles cujas habitações são aspergidas com ele. Ele deve não apenas ser morto, mas também servir de alimento para aqueles que são salvos por ele. Ele é o manjar do viajante, que o come com pressa, sem tempo para parar na carreira rápida desta vida. A imolação tanto do antigo Cordeiro quanto do novo é o sinal da Páscoa.


II

ORAÇÕES SOLENES


A Igreja, que acaba de revisar, juntamente com seus filhos, a história dos últimos momentos do Senhor, agora apenas imita que o divino Mediador, que, na cruz, como São Paulo ensina, ofereceu a todos os homens a seu Pai, suas orações e súplicas, misturado com lágrimas e acompanhado por um grande clamor (Hb 5,7).


Desde os primeiros séculos, ele apresentou neste dia a divina Majestade, um conjunto de orações que, abraçando as necessidades de toda a raça humana, mostram que ela é verdadeiramente a Mãe dos homens e a Esposa caridosa do Filho de Deus. Todos, inclusive os judeus, participam dessa solene intercessão que a Igreja apresenta ao Pai dos séculos, a desde o pé da cruz de Jesus Cristo.


Um anúncio solene que explica sua intenção precede uma oração. Então o diácono avisa toda a assembléia para se ajoelhar, um momento depois, ao sinal do diácono, os fiéis se juntam à oração do sacerdote.


Essas orações solenes foram de uso comum em outros tempos. Na liturgia romana, subsiste apenas na Sexta-feira Santa, na qual adquirem grandeza excepcional proclamando a universalidade da Redenção. Elas realmente constituem a “oração dos fiéis”.


III

SOLENE ADORAÇÃO DA SANTA CRUZ


As orações solenes se concluíram com a petição dirigida a Deus para a conversão dos pagãos, a Igreja terminou a sua recomendação universal e pediu a todos os habitantes da terra a efusão do sangue divino que brota, neste momento, das veias do Deus-Homem. Voltando agora aos cristãos seus filhos, chocados com as humilhações do Senhor, convida-os a reduzir o peso, dirigindo suas homenagens à Cruz até agora infame e, doravante, sagrada, em que Jesus caminha para o Calvário e cujos braços irá travar hoje. Para Israel, a cruz é objeto de escândalo, para os gentios um monumento da loucura; nós, cristãos, veneramos nela o troféu da vitória de Cristo e o augusto instrumento da salvação dos homens. O momento em que devemos receber nossas adorações pela honra que o Filho de Deus se dignou a fazer, regando-o e associando-o à obra da nossa Redenção, chegou. Não há dia ou hora mais indicados no ano para pagar nossas homenagens.


A adoração da cruz começou em Jerusalém no quarto século. A imperatriz Santa Helena havia encontrado recentemente a verdadeira cruz, e os fiéis queriam contemplar, de tempos em tempos, esta árvore da vida cujo encontro miraculoso enchera toda a Igreja de alegria. Foi determinado que ela fosse exposta à veneração dos cristãos uma vez por ano, na sexta-feira santa. O desejo de contemplar levou uma imensa multidão de peregrinos a Jerusalém para a Semana Santa todos os anos. A fama levou em toda parte as histórias desse cerimonial, mas nem todos esperavam vê-la nem uma vez na vida. A piedade católica queria desfrutar, pelo menos por imitação, uma cerimônia que muitos não puderam desfrutar em sua realidade; e, em relação ao século VII, pensava-se repetir em todas as igrejas, na Sexta-Feira Santa, a Ostensão e Adoração da Cruz que ocorreu em Jerusalém. Não se possuía, é verdade, senão a figura da verdadeira Cruz; mas, como as honras prestadas a essa madeira sagrada eram dirigidas ao próprio Cristo, os fiéis podiam oferecer-lhe honras semelhantes, mesmo que não vissem diante de seus olhos o mesmo madeiro que o Redentor havia regado com seu sangue. Essa foi a razão da instituição desse rito, que agora ocorrerá e do qual a Igreja nos convida a participar.


Esta cerimônia vem de Jerusalém, onde, na Sexta-Feira Santa, a verdadeira cruz, na qual Cristo foi crucificado, era apresentada para a veneração dos fiéis. As pessoas vieram prostrar-se diante dela e beijá-la com respeito. Na liturgia latina começa com a apresentação solene da cruz. Todo o tempo da Paixão estava velada.


No altar o celebrante retira o pluvial e permanece junto ao seu assento. O diácono, com dois acólitos carregando velas acesas, vai procurá-la na sacristia. Quando entram no presbitério, o celebrante sai ao encontro e recebe a cruz, no meio, diante do altar. O celebrante descobre em três etapas; primeiro, o alto da cruz; então, um dos braços; finalmente, a cruz inteira. Ao que parece, o celebrante, inicialmente ao pé do altar e ao lado da epístola, depois nos degraus, finalmente no meio do altar, vai descobrindo a cruz enquanto canta em tom moderado:


EIS o lenho da Cruz,


Depois prossegue ajudado pelos seus ministros que cantam com ele:

no qual pendeu a salvação do mundo.


Então todo o povo se coloca de joelhos e adora a Cruz, enquanto o coro canta:

R. Vinde, adoremos.


Esta primeira ostentação representa a primeira pregação da cruz, que os Apóstolos fizeram entre si, quando, não tendo ainda recebido o Espírito Santo, não podiam falar do mistério da Redenção, mas com os discípulos de Jesus e temiam chamar a atenção de os judeus. É por isso que o Sacerdote não levanta a cruz senão só um pouco. Este primeiro tributo é oferecido em reparação pelos ultrajes que o Salvador recebeu na casa de Caifás.


O sacerdote então vai para diante dos degraus, sempre do lado da Epístola, e fica de frente para o povo. Seus ministros o ajudam a descobrir o lado direito da cruz, e depois de ter descoberto essa parte do instrumento sagrado, mostra de novo às pessoas, elevando-a, desta vez, um pouco mais do que a primeira e cantando em tom mais alto:


EIS o lenho da Cruz,


Depois prossegue ajudado pelos seus ministros que cantam com ele:

no qual pendeu a salvação do mundo.


Então todo o povo se coloca de joelhos e adora a Cruz, enquanto o coro canta:

R. Vinde, adoremos.


Esta segunda manifestação mais gloriosa que a primeira representa a pregação do mistério da cruz para os judeus, quando os apóstolos, depois da vinda do Espírito Santo, lançaram os alicerces da Igreja no coração da sinagoga e conduziram os primeiros frutos de Israel aos pés do Redentor. A Igreja oferece-lhe em reparação pelos ultrajes que recebeu na casa de Pilatos.


O sacerdote fica no meio dos degraus, sempre voltado para o povo. Ajudado pelo diácono e subdiácono, ele descobre todo o resto do Crucifixo, e elevando-o mais do que antes, canta com triunfo e voz plena:


EIS o lenho da Cruz,


Depois prossegue ajudado pelos seus ministros que cantam com ele:

no qual pendeu a salvação do mundo.


Então todo o povo se coloca de joelhos e adora a Cruz, enquanto o coro canta:

R. Vinde, adoremos.


Esta última manifestação representa a pregação do mistério da cruz em todo o mundo, quando os Apóstolos, rejeitados pela grande nação judaica, se voltam para os gentios e anunciam o Deus crucificado além das fronteiras do império Romano. Esta terceira homenagem prestada à cruz é uma reparação pelos ultrajes que o Salvador recebeu no Calvário.


A Igreja, apresentando-nos a cruz coberta com o véu, que então desaparece para que nossos olhos alcancem o troféu divino de nossa Redenção, também quer nos expressar a teimosia dos judeus que vêem apenas um instrumento de ignomínia naquela adorável árvore, e a luz resplandecente desfrutada pelo povo cristão, a quem a fé revela que o Filho crucificado de Deus, longe de ser objeto de escândalo, é, ao contrário, como diz o apóstolo, o monumento eterno “do poder e sabedoria de Deus”. Daí em diante, a Cruz que acaba de ser tão solenemente erguida permanecerá descoberta; e ele permanecerá no altar, a hora da gloriosa ressurreição do Messias. Todas as outras cruzes colocadas nos vários altares também serão descobertas, imitando isso, que em breve ocupará seu lugar de honra no altar-mor.


Mas a Igreja não se limita a expor, neste momento, aos olhos dos fiéis a Cruz que os salvou. Ela os convida a entrar e colocar seus respeitosos lábios naquele tronco sagrado. O Celebrante irá primeiro, despido de sua casula, também tira os sapatos e, a distância conveniente, faz três vezes genuflexão simples, se aproxima e presta Adoração à Cruz, colocada nos degraus diante do altar. Depois dele vêm os ministros e o clero. Então a cruz carregada pelos dois acólitos, acompanhados por outros dois com velas acesas, e colocada na entrada do presbitério, onde os fiéis a adoram, processionalmente, vem primeiro os homens, depois as mulheres, e fazendo uma única genuflexão.


OS IMPROPÉRIOS

Os hinos que acompanham a adoração da cruz são de uma beleza incomparável. Os primeiros são os Impropérios, as acusações amargas que o Messias dirige aos judeus. As três primeiras estrofes são intercaladas com a canção do Trisagium ou oração a Deus três vezes Santo, cuja imortalidade justa é que nós glorificamos neste momento quando Ele se digna, como homem, a sofrer a morte por nós. Esta tripla glorificação, usada em Constantinopla desde o quinto século, passou para a Igreja Romana que a preservou na linguagem primitiva, contentando-se em alternar a tradução latina das palavras. O resto desta linda música tem grande interesse dramático. Cristo se lembra de todos os insultos aos quais ele foi submetido pelos judeus e mostra os benefícios com os quais cumulou essa nação ingrata.


1º e 2º Coro:

V. Povo meu, que te fiz eu? ou em que te contristei? Responde-me.

V. Porque te tirei da terra do Egito, preparas-te uma Cruz para o teu Salvador.

1º Coro: Ó Deus Santo.

2º Coro: Ó Deus Santo.

1º Coro: Santo e Poderoso.

2º Coro: Santo e Poderoso.

1º Coro: Santo e Imortal, tende piedade de nós.

2º Coro: Santo e Imortal, tende piedade de nós.


1º e 2º Coro:

V. Porque durante quarenta anos te conduzi pelo deserto, te alimentei com o maná, e te introduzi em uma terra excelente, preparaste uma Cruz para o teu Salvador.

1º Coro: Ó Deus Santo.

2º Coro: Ó Deus Santo.

1º Coro: Santo e Poderoso.

2º Coro: Santo e Poderoso.

1º Coro: Santo e Imortal, tende piedade de nós.

2º Coro: Santo e Imortal, tende piedade de nós.


1º e 2º Coro:

V. Que mais te devera fazer, que não tivesse feito? Qual vinha especiosíssima te plantei, e tu para mim te converteste em excessiva amargura, pois em minha sede me deste a beber vinagre, e com uma lança atravessaste o lado de teu Salvador.

1º Coro: Ó Deus Santo.

2º Coro: Ó Deus Santo.

1º Coro: Santo e Poderoso.

2º Coro: Santo e Poderoso.

1º Coro: Santo e Imortal, tende piedade de nós.

2º Coro: Santo e Imortal, tende piedade de nós.

1º Coro: Por tua causa flagelei o Egito em seus primogênitos; e tu aos açoites me entregaste.

2º Coro: Povo meu, que te fiz eu? ou em que te contristei? Responde-me.

1º Coro: Tirei-te do Egito, e submergi o Faraó no mar Vermelho; e tu me entregaste aos príncipes dos sacerdotes.

2º Coro: Povo meu, que te fiz eu? ou em que te contristei? Responde-me.

1º Coro: Abri o mar à tua passagem; e tu me abriste o lado com uma lança.

2º Coro: Povo meu, que te fiz eu? ou em que te contristei? Responde-me.

1º Coro: Caminhei diante de ti em uma coluna luminosa; e tu me levaste ao pretórío de Pilatos.

2º Coro: Povo meu, que te fiz eu? ou em que te contristei? Responde-me.

1º Coro: Alimentei-te com o maná do deserto; e tu me feriste com bofetadas e açoites.

2º Coro: Povo meu, que te fiz eu? ou em que te contristei? Responde-me.

1º Coro: Fiz brotar da pedra água de salvação para te saciar; e tu fel e vinagre me deste a beber.

2º Coro: Povo meu, que te fiz eu? ou em que te contristei? Responde-me.

1º Coro: Por tua causa feri os reis de Canaã; e tu, com uma cana feriste a minha cabeça.

2º Coro: Povo meu, que te fiz eu? ou em que te contristei? Responde-me.

1º Coro: Dei-te um cetro real; e tu me puseste na cabeça uma coroa de espinhos.

2º Coro: Povo meu, que te fiz eu? ou em que te contristei? Responde-me.

1º Coro: Exaltei-te a um grande poder; e tu me suspendeste no patíbulo da Cruz.

2º Coro: Povo meu, que te fiz eu? ou em que te contristei? Responde-me.


Aos impropérios segue esta solene Antífona, na qual a recordação da Cruz se une à da Ressurreição para a glória de nosso Redentor:


ANTÍFONA

1º e 2º Coro:

Ant. Senhor, nós adoramos a vossa Cruz, celebramos e glorificamos a vossa santa Ressurreição; porque foi pelo madeiro da Cruz que a alegria apareceu no mundo inteiro.

1º Coro: Deus se compadeça de nós, e nos conceda a sua bênção.

2º Coro: Faça resplandecer sobre nós a luz de sua face e tenha piedade de nós.

1º e 2º Coro:

Ant. Senhor, nós adoramos a vossa Cruz, celebramos e glorificamos a vossa santa Ressurreição; porque foi pelo madeiro da Cruz que a alegria apareceu no mundo inteiro.


Se a adoração da Cruz ainda não acabou, o célebre hino Crux Fidelis composto por Venâncio Fortunato, bispo de Poitiers, no século VI, em homenagem à árvore sagrada da nossa Redenção, é cantado. Uma das estrofes, dividida em duas, serve como um refrão enquanto dura o canto que é alternado com o Pange, Língua. No final da adoração, uma vez que todos os fiéis tenham prestado homenagem à Santa Cruz, ela é colocada no altar, e a quarta parte da função litúrgica é iniciada.


IV

COMUNHÃO


De tal maneira hoje, neste aniversário, o pensamento da Igreja, a recordação do Sacrifício consumado neste mesmo dia sobre o Calvário, que se renuncia a renovar sobre o altar a imolação da divina Comunhão. Antigamente todo o clero e todos os fiéis eram admitidos a esta graça, mas durante o largo período este costume caiu em desuso e só o celebrante podia comungar. Em 1956 a Igreja retornou à tradição antiga e doravante todos os fiéis poderão comunicar o Corpo do Senhor, imolado neste dia para sua salvação, a fim de receber mais abundantemente os frutos da Redenção.


O diácono, acompanhado por dois acólitos, se dirige para o monumento, pega o cibório do tabernáculo e o leva ao altar-mor. Ao ir ao altar, a escola canta algumas antífonas. A cruz é colocada no meio do altar, entre duas velas acesas. O celebrante e seus ministros usam paramentos roxos. O diácono traz a Eucaristia ao monumento, precedido por dois acólitos com velas acesas, enquanto as antífonas são cantadas:


Ó CRISTO, nós vos adoramos e vos bendizemos, pois por vossa santa Cruz redimiste o mundo.


Feitos escravos por uma árvore, e pela santa Cruz fomos resgatados; o fruto de uma árvore nos seduziu, o Filho de Deus nos redimiu.


Salvai-nos, Salvador do mundo, vós que por vossa Cruz e por seu Sangue nos libertou, ó Deus nosso, vos suplicamos, socorrei-nos.


No altar, o diácono deixa o sagrado cibório sobre o corporal; o celebrante se levanta e recita em voz alta o preâmbulo da oração dominical, então, como o Pater noster é uma preparação para a Comunhão e como todos devem comungar, o clero e os fiéis recitam juntamente com o celebrante, “solenemente, com gravidade, distintamente e em latim”.


Unamo-nos com confiança e solicitude aos sete pedidos que o Pai Nosso encerra, nesta hora em que nosso divino Intercessor, com os braços estendidos sobre a Cruz, as apresenta por nós a seu Pai. Este é o momento em que Ele obtêm do Pai que toda oração dirigida ao céu por sua mediação seja escutada.


Depois do Pai Nosso, o padre acrescenta em voz alta uma oração que é dita em voz baixa em todas as Missas. Nela, ele pede que sejamos livres dos males, livres do pecado, estabelecidos em paz.


Também recita em voz baixa a terceira das orações que precedem a Comunhão nas Missas comuns; então descobre o cibório e toma uma Hóstia, e profundamente inclinado, bate no peito dizendo três vezes.


Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha casa, mas dizei uma só palavra e minha alma será salva.


O Padre comunga com respeito, se recolhe por alguns instantes, depois dá a Sagrada Comunhão, como sempre, ao clero e aos fiéis assistentes.


Depois da Comunhão, o celebrante purifica os dedos num vaso, limpa-os com o purificatório, encerra o cibório no tabernáculo e, de pé no meio do altar, diz como agradecimento e em tom ferial, as três orações seguintes:


SENHOR, vos suplicamos, que desça sobre vosso povo que acaba de celebrar devotamente a Paixão e Morte de vosso Filho uma copiosa bênção, chegue o perdão, seja concedida a consolação, aumente a fé e se assegure a redenção eterna. Pelo mesmo Cristo Nosso Senhor. R. Amém.


ONIPOTENTE e misericordioso Deus que nos reparaste com a gloriosa Paixão e Morte de vosso Ungido: conservai em nós a obra de vossa misericórdia; para que, pela participação deste mistério vivamos perpetuamente consagrados a vós. Pelo mesmo Cristo nosso Senhor. R. Amém.


RECORDAI as vossas misericórdias, ó Senhor, e santificai com vossa eterna proteção os vossos servos, em cujo favor Jesus Cristo, vosso Filho, derramando seu Sangue, instituiu o mistério pascal. Pelo mesmo Cristo nosso Senhor. R. Amém.


O Celebrante e todos os ministros descem do altar e, feita a genuflexão, voltam à sacristia. De forma privada, se reserva o Santíssimo, e se desnuda o altar.


No coro se recitam Completas, as velas apagadas e sem canto. Em seguida, a Santa Eucaristia é transladada privadamente para o local a ser reservada e diante do qual uma lâmpada acenderá como de costume.



#sextafeirasanta #gueranger #anoliturgico #adoraçaodacruz #soleneacaoliturgica

SIGA-NOS:

  • YouTube
  • Twitter ícone social
  • Pinterest
  • Facebook ícone social

© 2020 Apostolado FERR - Forma Extraordinária do Rito Romano