• Apostolado FERR

A Transfiguração espiritual do cristão (Homilia)



A TRANSFIGURAÇÃO ESPIRITUAL DO CRISTÃO

Transfiguratus est ante eos.


A admirável Transfiguração de Nosso Senhor no alto do Tabor é a imagem da transfiguração, completamente espiritual e misteriosa, que a graça de Deus opera na alma dos fiéis e esta é a condição indispensável e o penhor certo da transfiguração gloriosa que nos espera na outra vida.


Todos os cristãos estão destinados a esta dupla transfiguração; todos deveriam incessantemente ambicioná-la e viver de modo que merecessem esta glória... Mas, ai! quão reduzido número se preocupa com tão sublime destino e quão menos ainda são os que se esforçam para dele serem dignos!... Multi vocati, pauci vero electi...


Consideremos: 1.º a natureza desta transfiguração; 2.º os seus efeitos maravilhosos e 3.º os meios por que se pode realizar em nós.


I - Natureza e caráter da transfiguração espiritual.

1.º É ela, propriamente, a restauração do homem espiritual pela infusão da vida divina na alma, isto é, a obtenção do estado de graça e de santidade.


O pecado separa evidentemente a alma de Deus, obscurece a sua beleza, altera e destroi até a imagem e semelhança de Deus nela impressas...


Contudo uma regeneração ou conversão sincera e verdadeira, quer pelo Batismo quer pela Penitência, renova entre ela e Deus a amizade precedentemente quebrada e, restituindo-a à beleza inicial, faz brilhar, de novo, nela as feições do Criador.


Esta vida nova e sobrenatural, esta transformação da natureza pela graça, é a vida cristã, a vida de Jesus;... é o reflexo de Jesus, hóspede da alma, sobre a alma, porque Jesus é o verdadeiro sol e a verdadeira vida das almas...


2.º É evidente que a transfiguração espiritual, absolutamente indispensável para a salvação, exige ou supõe, antes de mais nada, a detestação e cessação de todo o pecado, assim como a fuga das ocasiões perigosas, e também a reforma dos maus hábitos e dos defeitos. É a renúncia a nós mesmos reclamada por Nosso Senhor: Abneget semetipsum.


É despir-se o velho homem, como diz S. Paulo, e revestir-se do homem novo,... tornar-se uma nova criatura de Deus - Zaqueu e Madalena, - manifestar cada um em si as virtudes e a vida de Jesus Cristo, ser “alter Christus”: Mihi vivere Christus est... Vivo, iam non ego, vivit vero in me Christus...


Resplenduit facies eius sicut sol, eis o modelo da alma;... vestimenta facta sunt alba sicut nix, eis o espelho do corpo, porque, dada a sua união íntima com a alma, é necessário que ele participe, de certo modo, na transformação dela, para que a metamorfose seja completa e perfeita... Outrora ereis trevas, mas agora sois luz no Senhor... Andai como filhos da luz, porque o fruto da luz consiste em andar no caminho da bondade, da justiça e da verdade... (Ef., V, 8 e 9).


II - Os seus maravilhosos efeitos.

1.º Que esplêndida e altíssima maravilha é uma alma assim convertida pela santificação e transfiguração em Jesus Cristo!


Nosso Senhor é o esplendor da glória do Pai, luz de luz, verdadeiro sol de Justiça.

Foi assim que ele se manifestou no Tabor... Eis o prodígio. Ao comunicar-nos a sua graça e a sua vida, faz de nós a sua imagem, filhos de luz, enche-nos da sua verdade, faz-nos refletir o seu próprio brilho, para que também, nós como ele, iluminemos o mundo e sejamos centro de atração divina dos homens: Ad illuminationem scientiæ claritatis Dei, in facie Christi Iesu...


Para nos fazer apreender algo do que se opera invisivelmente na alma, Deus tornou exteriormente luminoso o rosto de Moisés quando descia do Sinai: Moisés não sabia que o seu rosto era resplandecente depois que tinha estado a falar com o Senhor... Mas Araão e os filhos de Israel viam que a sua face projetava raios de luz... (Ex., XXXIV, 29, 30 e 35).


2.º É por isto que o santos são imagens vivas de J. Cristo, objeto de admiração para os Anjos e edificação para os homens. Vivendo embora na terra e revestidos de corpo mortal, as suas ações são já de habitantes do Céu: Nostra conversatio in cœlis est... In carne ambulantes, non secundum carnem militamus... Cheios de Espírito Santo, fazem brilhar em si a graça de Deus, à imitação de Jesus, de quem são reprodução aproximada, e esclarecem o mundo com as suas virtudes e com a beleza da sua vida... O Pai celeste compraz-se nestes servos fiéis, filhos da luz, dos quais pode também dizer: Hic est filius meus dilectus, in quo mihi complacui...


3.º Quem poderá expressar a alegria íntima, a paz, o brilho inefável de almas assim transfiguradas? Quam suavis est, Domine, Spiritus tuus!...


O comum dos homens não compreende e julga até talvez ridículos o prazer e alegria com que elas falam de Jesus, desconhece a profunda realidade que as anima a celebrarem Jesus! “Iesu, dulcis memoria, dans vera cordis gaudia; sed super mel et omnia eius dulcis præsentia”!...


Então vós conhecereis que eu estou em meu Pai, vós em mim, e eu em vós...

Entusiasmo santo, ciência infusa, êxtases admiráveis de santos assim transfigurados em Jesus: Francisco de Assis, Tomás de Aquino, José de Cupertino, Catarina de Sena, Teresa de Ávila, Gerardo Magela.


4.º “Ao levantarem-se da Santa Mesa, diz J. Crisóstomo, deveriam os cristãos ser como leões, respirando ardor”... Tais são estas almas, que nem respiram nem exalam senão a caridade de Jesus, que só aspiram pela cruz e pelo sofrimento: Charitas Christi urget nos... Quis me separabit a charitate Christi?... Absit mihi gloriari, nisi in cruce Domini;... só vivem para fazer o que é do agrado do Senhor, pregando-o e convidando os outros a amá-lo, cheias de força e de generosidade para trabalharem, se dedicarem, se imolarem com Jesus pela glória de Deus e pela salvação do próximo... Santos Paulo, Inácio de Loiola, Francisco Xavier, Filipe de Neri, Vicente de Paulo.


5.º Maravilhosa transfiguração, feliz condição, prelúdio do que será a Bem-aventurança!... Fulgebunt iusti sicut sol in conspectu Dei... Candidi facti sunt Nazaræi eius, splendorem Deo dederunt... Sancti et iusti, in Domino gaudete, vos elegit Deus in hæreditatem sibi... O nosso boníssimo e generosíssimo Salvador quer, para todos os seus filhos, para todos os seus discípulos, enfim para todos os homens, esta transformação e transfiguração nele; oferece a todos esta auréola de santos e a todos oferece também a graça e os meios para tanto. Contudo muito poucos aceitam e são fiéis a tal vocação! Sed non omne capiunt illud... Pax hominibus bonæ voluntatis... Como consegui-la?


III - Meios para conseguir a nossa transfiguração espiritual.

1.º É preciso, fundamentalmente, a humildade e a compunção do coração, isto é, uma verdadeira conversão, porque Deus nunca nega, dá sempre a graça aos corações humildes e penitentes: Cor contritum et humiliatum, Deus, non despicies. Milagres de graça produzidos pela humildade e arrependimento de alguns Santos penitentes: Davi, Madalena, o bom Ladrão, Maria Egipcíaca, Margarida de Cortona, etc., são exemplos claros da força destas duas virtudes... E hoje, diariamente, inúmeras são as almas purificadas, santificadas, transfiguradas pela recepção humilde, confiante e frequente do Sacramento da Penitência!... Eis porque tantos santos dele se aproximavam todos ou quase todos os dias: Carlos Borromeu, Pedro Claver, Leonardo de Porto Maurício, etc.


2.º É preciso fazer, com Jesus, a ascensão da montanha santa, isto é, desprender-se das criaturas, fugir do tumulto mundano, amar o silêncio, a oração, a conversação com Deus: Non in commotione Dominus... Ducam animam in solitudinem... Nolite diligere mundum, neque ea quæ in mundo sunt...


É preciso orar com fé viva, confiança ardente, fervor sentido, sem tibieza, nem apatia ou sonolência voluntária: Sic non potuistis una hora vigilare mecum? Note-se bem que todos os santos foram homens de oração e foi nela ou por ela, quer dizer, nas suas conversas com Deus, que receberam luzes maravilhosas, quer para si próprios, quer para os estranhos!... O amordo recolhimento e da oração supõe a mortificação do espírito, do coração dos e dos sentidos...


Os Apóstolos viram bem a Transfiguração de Nosso Senhor, mas não foram transfigurados porque estavam carregados de sono: Eram oculi eorum gravati... Sê-lo-ão mais tarde, no Cenáculo quando o Espírito Santo vier, no Pentecostes, repousar sobre eles, porque então estarão vigilantes e perseverantes na oração... Moisés no alto do Sinai, Elias no monte Carmelo tinham outrora dado prova inequívocas de espírito de fé, de amor, de oração, de vigilância e de mortificação e por isso participam na glória de Jesus transfigurado.


3.º Ajunte-se a meditação frequente da Paixão de Jesus. Moisés e Elias, no alto do Tabor, entretêm-se com Nosso Senhor falando na morte cruel que ele havia de padecer em Jerusalém. O amor da cruz e do sofrimento, é condição para a santidade, é um dos sinais característicos que revelam as almas transfiguradas... “Quos præscivit... conformes fieri imaginis Filii sui”... Ninguém como estas almas, sabe sofrer, subir com Jesus ao Calvário e com ele trabalhar eficazmente na sua obra, na santificação dos homens...


Palavras de Jesus a Ananias acerca de S. Paulo, que acabara de ser convertido: Vas electionis est mihi iste, ut portet nomen meum coram gentibus, et regibus et filiis Israel... Mas por que preço comprará este enviado divino a glória do seu incomparável Apostolado? Ostendam illi, acrescenta ainda o Senhor, quanta oporteat eum pro me pati... E, mais tarde, confessará, por palavras e por longa série de tribulações, a verdade do oráculo divino. Gaudeo in passionibus pro vobis, et adimpleo ea quæ desunt passionum Christi in carne mea, pro corpore eius, quod est Ecclesia...


4.º É preciso viver em união muito estreita e íntima com Jesus. Esta união começa na oração, aperfeiçoa-se e completa-se sobretudo na Santa Comunhão, na qual Jesus, na totalidade do seu ser, isto é, com a sua divindade e humanidade, com a sua vida, a sua graça e o seu espírito, entra na nossa alma: Im me manet et ego in illo... Sicut ego vivo propter Patrem, et qui manducat me, et ipse vevevet propter me... É então que a alma, interiormente e completamente transfigurada, pode dizer: Eu vivo, mas já não sou eu que vivo, é Jesus que vive em mim!...


Atingido este ideal, a alma sente-se naturalmente impulsionada a imitar Jesus, a seguir as suas pegadas, sequar te quocumque ieris, a em tudo lhe agradar.


No alto do Tabor místico, nesta íntima união com Jesus, a alma encontra as forças necessárias para ativamente acompanhar Jesus até ao Calvário e beber com ele o cálice de todas as amarguras e, ali no cimo do sagrado monte da Mirra, compra a felicidade da transfiguração gloriosa que a espera no Céu: Quo prœscivit... conformes fieri imaginis Filii sui... Si tamen compatimur, ut et conglorificamur...


Conclusão. - Irmãos caríssimos, certíssimo é este nosso glorioso destino. Esforcemo-nos por ser fiéis à graça de Deus, porque infalivelmente seremos transformados em Jesus.


Sejamos filhos da Luz, glorifiquemos Deus com a santidade da nossa vida; sejamos portadores de Jesus por toda a parte e sempre; mostremo-lo em nós e demo-lo a todos, isto é, confessemo-lo diante dos homens, cumprindo religiosamente os seus preceitos e a sua lei, para que um dia ele se mostre e dê a nós na glória celestes e nos confesse também diante de seu Pai. Que a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo e a caridade de Deus, e a comunicação do Espírito Santo sejam conosco. Amém.




#thiriet #homilia #sermao #quaresma #cristao #transfiguração #missatridentina

SIGA-NOS:

  • YouTube
  • Twitter ícone social
  • Pinterest
  • Facebook ícone social

© 2019 Apostolado FERR - Forma Extraordinária do Rito Romano