• Apostolado FERR

Missa da Quinta-feira depois das Cinzas




QUINTA-FEIRA DEPOIS DAS CINZAS

III classe, paramentos roxos

Estação em São Jorge


Embora a lei do jejum tenha começado ontem, a Quaresma, propriamente dita, não começa até as Vésperas no próximo sábado. A fim de distinguir o resto da Quaresma dos quatro dias que foram adicionados a ela, a Igreja continua a cantar as Vésperas na hora habitual, e permite que seus ministros quebrem o jejum antes de ter dito aquele Ofício.


A Igreja deu a estes três dias depois da Quarta-feira de Cinzas uma semelhança com as outras Férias da Quaresma, atribuindo a cada um deles uma Lição do Antigo Testamento e um Evangelho para a Missa, adicionando algumas reflexões para cada um.


Ontem a Igreja nos falou da certeza da morte. Todos nós devemos morrer: nós temos não só a infalível palavra de Deus para isso, mas nenhum homem razoável poderia considerar o pensamento de que ele seria uma exceção à regra. Mas se o fato de nossa morte for certo, o dia em que devemos morrer também é fixo. Deus, em sua sabedoria, ocultou o dia de nós; torna-se nosso dever não ser surpreendido. Naquela mesma noite, poder-se-ia dizer-nos, como foi dito a Ezequias: Põe em ordem a tua casa, pois morrerás (Is 38,1). Devemos passar cada dia como se fosse o último. Se Deus nos concedesse, como fez ao santo rei de Judá, um prolongamento da vida, mesmo assim, mais cedo ou mais tarde, devemos chegar àquela última hora além da qual não há tempo e a eternidade começa. A intenção da Igreja, lembrando-nos assim de nossa mortalidade, é nos colocar em guarda contra as seduções desta curta vida, e despertar em nós a seriedade na grande obra de regeneração, para o qual ela tem no preparado durante estas últimas três semanas. Muitos dos que receberam as cinzas ontem nunca verão as alegrias da Páscoa, pelo menos não neste mundo! Para eles, a cerimônia foi uma previsão do que deve acontecer com eles, talvez antes que o mês acabe. E ainda as mesmas palavras que foram pronunciadas sobre eles, foram ditas para nós. Não podemos ser nós mesmos do número daqueles que logo serão as próximas vítimas da morte? Nesta incerteza, aceitemos com gratidão a advertência que nosso Jesus desceu do céu para nos dar: Penitência, porque o Reino de Deus está próximo (Mt 4,17).


As Sagradas Escrituras, os Padres e os Teólogos nos dizem que existem três boas obras eminentes, que são, ao mesmo tempo, obras de penitência: Oração, Jejum e Esmola. Nas lições que ela nos dá nestes três dias que formam o limiar da Quaresma, a Igreja nos instrui sobre essas obras. Hoje é a oração que ela nos recomenda. Olhe para este Centurião que vem ao nosso Salvador suplicando-lhe para curar seu servo. Sua oração é humilde em toda a sinceridade de seu coração, ele se considera indigno de receber Jesus sob seu teto. Sua oração é cheia de fé, ele não duvida, por um instante, que Jesus é capaz de conceder-lhe o que ele pede. E com que ardor ele ora! A fé deste gentio é maior que a dos filhos de Israel, e provoca o louvor do Filho de Deus. Tal deveria ser a nossa oração quando solicitamos a cura de nossas almas. Vamos reconhecer que não somos dignos de falar com Deus, e ainda assim, tenhamos uma confiança inabalável no poder e bondade d’Ele, que apenas nos ordena a orar para que ele possa derramar suas misericórdias sobre nós. O tempo litúrgico em que estamos agora é uma oração, a igreja redobra suas súplicas; é para nós que ela os faz, devemos ter nossa parte nelas. Vamos, durante este tempo de graça, abandonar aquele langor que prende a alma em outras ocasiões. Lembremo-nos que é a Oração que repara as falhas que já cometemos e nos preserva do pecado para o futuro.


INTRÓITO

(Sl 54,17-23,2-3)

DUM clamárem ad Dóminum, exaudívit vocem meam ab his, qui appropínquant mihi, et humiliávit eos, qui est ante sǽcula et manet in ætérnum: jacta cogitátum tuum in Dómino, et ipse te enútriet. PS. Exáudi, Deus, oratiónem meam, et ne despéxeris deprecatiónem meam: inténde mihi et exáudi me. Glória Patri. Dum clamárem.


CLAMEI ao Senhor e Ele ouviu a minha voz e me livrou dos que me atacavam. E humilhou-os, Aquele que existe antes dos séculos, e subsistirá para sempre. Entrega ao Senhor os teus cuidados e Ele te nutrirá. SL. Ouvi, ó Deus, minha oração e não desprezeis minha súplica: atendei-me e escutai-me. Glória ao Pai. Clamei ao Senhor.


COLETA

DEUS, qui culpa offénderis, pæniténtia placáris: preces pópuli tui supplicántis propítius réspice; et flagélla tuæ iracúndiæ, quæ pro peccátis nostris merémur, avérte. Per Dóminum.


Ó DEUS, que Vos ofendeis com a culpa e Vos aplacais com a penitência, acolhei, propício, as preces de vosso povo suplicante e desviai os flagelos de vossa ira, que por nossos pecados merecemos. Por Nosso Senhor.


EPÍSTOLA

(Is 38,1-6)

Léctio Isaíæ Prophétæ.

IN diébus illis: Ægrotávit Ezechías usque ad mortem: et introívit ad eum Isaías fílius Amos Prophéta, et dixit ei: Hæc dicit Dóminus: «Dispóne dómui tuæ, quia moriéris tu, et non vives.» Et convértit Ezechías fáciem suam ad paríetem, et orávit ad Dóminum, et dixit: «Obsecro, Dómine, meménto, quæso, quómodo ambuláverim coram te in veritáte et in corde perfécto, et, quod bonum est in óculis tuis, fécerim.» Et flevit Ezechías fletu magno. Et factum est verbum Dómini ad Isaíam, dicens: «Vade, et dic Ezechíæ: Hæc dicit Dóminus, Deus David patris tui: Audívi oratiónem tuam, et vidi lácrimas tuas: ecce, ego adjíciam super dies tuos quíndecim annos: et de manu regis Assyriórum éruam te et civitátem istam, et prótegam eam, ait Dóminus omnípotens.»


Leitura do Profeta Isaías.

NAQUELES dias, [o rei] Ezequias foi acometido de uma enfermidade mortal. Então o profeta Isaías, filho de Amos, veio ter com ele e lhe disse: Eis o que diz o Senhor: Dispõe os negócios de tua casa, porque vais morrer; e não poderás viver. E Ezequias voltou o seu rosto para a parede, e orou ao Senhor, dizendo: Peço-Vos, Senhor, que Vos lembreis de como tenho andado diante de Vós, com, fidelidade, e com um coração perfeito; e como tenho praticado o que é bom a vossos olhos. E Ezequias prorrompeu em grande pranto. Então o Senhor falou a Isaías, dizendo; Vai, e dize a Ezequias: Eis o que diz o Senhor, Deus de Davi, teu pai: Ouvi tua oração, e vi as tuas lágrimas: acrescentarei a teus dias quinze anos e da mão do rei dos Assírios te livrarei, assim como libertarei esta cidade, e a protegerei, diz o Senhor onipotente.


GRADUAL

(Sl 54,23.17-19)

JACTA cogitátum tuum in Dómino, et ipse te enútriet. V. Dum clamárem ad Dóminum, exaudívit vocem meam ab his, qui appropínquant mihi.


ENTREGA ao Senhor os teus cuidados; e Ele mesmo te nutrirá. V. Clamei ao Senhor e Ele ouviu a minha voz; e livrou-me dos que me atacavam.


EVANGELHO

(Mt 8,5-13)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Matthǽum.

IN illo témpore: Cum introísset Jesus Caphárnaum, accéssit ad eum centúrio, rogans eum, et dicens: «Dómine, puer meus jacet in domo paralýticus, et male torquétur.» Et ait illi Jesus: «Ego véniam et curábo eum.» Et respóndens centúrio, ait: «Dómine, non sum dignus, ut intres sub tectum meum: sed tantum dic verbo, et sanábitur puer meus. Nam et ego homo sum sub potestáte constitútus, habens sub me mílites, et dico huic: “Vade,” et vadit; et alii: “Veni,” et venit; et servo meo: “Fac hoc,”et facit.» Audiens autem Jesus, mirátus est, et sequéntibus se dixit: «Amen, dico vobis, non invéni tantam fidem in Israël. Dico autem vobis, quod multi ab Oriénte et Occidénte vénient, et recúmbent cum Abraham et Isaac et Jacob in regno cœlórum: fílii autem regni ejiciéntur in ténebras exterióres: ibi erit fletus et stridor déntium.» Et dixit Jesus centurióni: «Vade, et, sicut credidísti, fiat tibi. Et sanátus est puer in illa hora.»


Continuação do santo Evangelho segundo São Mateus.

NAQUELE tempo, tendo entrado Jesus em Cafarnaum, veio a Ele um centurião, fazendo-Lhe uma súplica: Senhor, um servo meu jaz em casa paralítico, e sofre atrozmente. Jesus disse-lhe: Eu irei e o curarei. Respondeu o. centurião: Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha casa, mas dizei uma só palavra e o meu servo será curado. Dois também eu sou um homem sujeito a outros; tenho soldados às minhas ordens, e digo a um: Vai, e ele vai; e a outro: Vem, e ele vem; e ao meu servo: Faze isto, e ele o faz. Ouvindo isto, Jesus admirou-se, e disse aos que O seguiam: Em verdade, eu vos digo que não achei tamanha fé em Israel. E digo-vos: Muitos virão do Oriente e do Ocidente e se assentarão com Abraão, Isaac e Jacó, no Reino dos céus; mas os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores. E ali haverá choro e ranger de dentes. E Jesus disse ao centurião: Vai, e como creste, assim te seja feito. E naquela mesma hora, o servo ficou curado.


OFERTÓRIO

(Sl 24,1-3)

AD te, Dómine, levávi ánimam meam: Deus meus, in te confído, non erubéscam: neque irrídeant me inimíci mei: étenim univérsi, qui te exspéctant, non confundéntur.


A VÓS, Senhor, elevo a minha alma. Ó meu Deus, em, Vos confio, não serei envergonhado. Não se riam de mim os meus inimigos, porque todos os que em Vós esperam, não serão confundidos.


SECRETA

SACRIFÍCIIS præséntibus, Dómine, quǽsumus, inténde placátus: ut et devotióni nostræ profíciant et salúti. Per Dóminum.


NÓS Vos suplicamos, Senhor, olhai benignamente o presente Sacrifício, para que aproveite à nossa piedade e à nossa salvação. Por Nosso Senhor.


COMUNHÃO

(Sl 50,21)

ACCEPTÁBIS sacrifícium justítiæ, oblatiónes et holocáusta, super altáre tuum, Dómine.


VÓS aceitais, Senhor, o Sacrifício de justiça, as ofertas e os holocaustos que sobre o vosso altar Vos são apresentados.


PÓSCOMUNHÃO

CŒLÉSTIS doni benedictióne percépta: súpplices te, Deus omnípotens, deprecámur; ut hoc idem nobis et sacraménti causa sit et salútis. Per Dóminum.


HAVENDO recebido a bênção do Dom celestial, humildemente Vos suplicamos, o Deus onipotente, que este mesmo Dom nos seja causa de santificação e salvação. Por Nosso Senhor.


ORAÇÃO SOBRE O POVO

Oremus.

Humiliáte cápita vestra Deo.

PARCE, Dómine, parce populo tuo: ut, dignis flagellatiónibus castigátus, in tua miseratióne respíret. Per Dóminum.


Oremos.

Humilhai as vossas cabeças diante de Deus.

PERDOAI, Senhor, perdoai ao vosso povo, a fim de que, castigado com merecido flagelo, por vossa misericórdia seja aliviado. Por Nosso Senhor.


Pode-se dizer:

V. Benedicámus Dómino.

R. Deo Grátias.



RECURSOS:

COMENTÁRIOS LITÚRGICOS: Dom Gueranger

Partes próprias da Missa: partituras

Sermão:

Meditação: Amor de Jesus Cristo em dar-se a nós como alimento




#cinzas #missatridentina #propriodamissa #liturgia

SIGA-NOS:

  • YouTube
  • Twitter ícone social
  • Pinterest
  • Facebook ícone social

© 2020 Apostolado FERR - Forma Extraordinária do Rito Romano