• Apostolado FERR

Missa da Sexta-feira da III semana da Quaresma



SEXTA-FEIRA DA III SEMANA DA QUARESMA

III classe, paramentos roxos

Estação em São Lourenço “in lucina”


A Estação é celebrada na igreja de São Lourenço in Lucina, antigo e célebre santuário onde se conserva a grelha na qual o santo Arquidiácono da Igreja romana consumou seu martírio.

Aproxima-se cada vez mais o dia do Batismo, e para nós, a renovação das graças batismais. Na Leitura, Moisés tira água viva do rochedo, e no Evangelho, Jesus promete a água da vida eterna. Belíssima ilustração para estas Leituras deu a fonte que se acha perto da igreja estacional e que, conforme lenda antiga, brotou de repente, para que as suas águas cristalinas servissem para o Batismo de Santo Hipólito. No Santo Sacrifício da Missa, Jesus nos ensina e nos comunica aquela água viva e alimento espiritual, a Eucaristia que nos transforma em adoradores de Deus, em espírito (Evangelho e Communio).


INTRÓITO

(Sl 85,17,1)

FAC mecum, Dómine, signum in bonum: ut vídeant, qui me oderunt, et confundántur: quóniam tu, Dómine, adjuvísti me et consolátus es me. PS. Inclína, Dómine, aurem tuam, et exáudi me: quóniam inops et pauper sum ego. Glória Patri. Fac mecum.


FAZEI brilhar em mim, Senhor, um sinal de vossa bondade, para que o vejam os que me odeiam e sejam confundidos: pois Vós, Senhor, sois o meu auxílio e a minha consolação. SL. Inclinai, Senhor, o vosso ouvido, e escutai-me, porque sou um desvalido e um pobre. Glória ao Pai. Fazei brilhar.


COLETA

JEJÚNIA nostra, quǽsumus Dómine, benígno favóre proséquere: ut, sicut ab aliméntis abstinémus in córpore; ita a vítiis jejunémus in mente. Per Dóminum.


NÓS Vos pedimos, Senhor, acompanhai os nossos jejuns com a vossa benigna graça, a fim de que, assim como o nosso corpo se privou de alimentos, assim também as nossas almas se abstenham do pecado. Por Nosso Senhor.


EPÍSTOLA

(Nm 20,1.3.6-13)

Léctio libri Numeri.

IN diébus illis: Convenérunt fílii Israël adversum Móysen et Aaron: et versi in seditiónem dixérunt: «Date nobis aquam, ut bibámus.» Ingressúsque Móyses et Aaron, dimíssa multitúdine, tabernáculum fœderis corruérunt proni in terram clamaverúntque ad Dóminum atque dixérunt: «Dómine Deus audi clamórem hujus pópuli et áperi eis thesáurum tuum fontem aquæ vivæ, ut, satiáti cesset murmurátio eórum.» Et appáruit glória Dómini super eos. Locutúsque est Dóminus ad Móysen, dicens: «Tolle virgam, et cóngrega pópulum, tu et Aaron frater tuus, et loquímini ad petram coram eis, et illa dabit aquas. Cumque edúxeris aquam de petra, bibet omnis multitúdo et juménta ejus.» Tulit ígitur Móyses virgam, quæ erat in conspéctu Dómini, sicut præcéperat ei, congregáta multitúdine ante petram, dixítque eis: «Audíte, rebélles et incréduli: Num de petra hac vobis aquam potérimus ejícere?» Cumque elevásset Móyses manum, percútiens virga bis sílicem, egréssæ sunt aquæ largíssimæ, ita ut pópulus bíberet, et juménta. Dixítque Dóminus ad Móysen et Aaron: «Quia non credidístis mihi, ut sanctificarétis me coram fíliis Israël, non introducétis hos pópulos in terram quam dabo eis.» Hæc est aqua contradictiónis, ubi jurgáti sunt fílii Israël contra Dóminum, et sanctificátus est in eis.


Leitura do livro dos Números.

NAQUELES dias, os filhos de Israel se reuniram, e revoltaram-se contra Moisés e contra Aarão. Eles disseram: “Dai-nos água! Nós queremos beber!” Deixando a assembléia, Moisés e Aarão vieram à entrada da Tenda de reunião, prostraram-se de face em terra, e clamaram ao Senhor, dizendo: “Ouvi, Senhor Deus, o clamor deste povo, e abri-lhe o vosso tesouro, a fonte de água viva, a fim de que, saciados, parem de murmurar!” Então a Glória do Senhor apareceu por sobre eles. O Senhor dirigiu a palavra a Moisés e lhe disse: “Empunha o bastão. Reune, a comunidade, tu e teu irmão Aarão. Diante deles ordenareis ao rochedo que dê água. Quando tiverdes feito brotar a água do rochedo, fareis beber ao povo e seus rebanhos.” Moisés tomou o bastão que estava diante do Senhor, segundo lhe fora ordenado. Moisés e Aarão convocaram a assembléia diante do rochedo, e disseram: “Escutai, pois, rebeldes! Será que faremos brotar água para vós deste rochedo?” Moisés ergueu a mão, e bateu com seu bastão no rochedo duas vezes. A água brotou com abundância. O povo matou a sede com todos os seus rebanhos. O Senhor disse a Moisés e a Aarão: “Porque vós não acreditastes que eu revelaria a minha santidade perante os filhos de Israel, não conduzireis esta assembleia à terra que eu lhe dou? Eis o que se passou nas águas de Meriba: os filhos de Israel se revoltaram contra o Senhor, mas ele revelou-lhes a sua santidade.


GRADUAL

(Sl 27,7.1)

IN Deo sperávit cor meum ,et adjútus sum: et reflóruit caro mea, et ex voluntáte mea confitébor illi. V. Ad te, Dómine, clamávi: Deus meus, ne síleas, ne discédas a me.


MEU coração em Deus pôs a sua esperança, e eu fui socorrido. Meu ser refloresceu, e eu então lhe dou graças de todo o coração. V. Por vós, Senhor, eu clamo; ó Deus, não vos caleis; não me deixeis assim!


TRACTO

(Sl 102,10; 70,8-9)

DÓMINE, non secúndum peccáta nostra, quæ fécimus nos: neque secúndum iniquitátes nostras retribuas nobis. V. Dómine, ne memíneris iniquitátum nostrárum antiquárum: cito antícipent nos misericórdiæ tuæ, quia páuperes facti sumus nimis.

(Hic genuflectitur)

V. Adjuva nos, Deus salutáris noster: et propter glóriam nóminis tui, Dómine, líbera nos: et propítius esto peccátis nostris, propter nomen tuum.


SENHOR, não nos trateis segundo os pecados que cometemos, nem nos castigueis como merecem as nossas iniquidades. V. Senhor, não Vos recordeis de nossos antigos delitos. Venham depressa ao nosso encontro vossas misericórdias, porque fomos reduzidos à extrema miséria.

(Aqui todos se ajoelham)

V. Ajudai-nos, ó Deus, salvação nossa, e para glória de vosso Nome, livrai-me, Senhor; e perdoai-nos os nossos pecados, para honra de vosso Nome.


EVANGELHO

(Jo 4,5-42)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Joánnem.

IN illo témpore: venit Jesus in civitatem Samariæ quæ dicitur Sichar: juxta prǽdium quod dedit Jacob Joseph filio suo erat autem ibi fons Jacob. Jesus ergo fatigátus ex itínere sedebat sic super fontem. Hora erat quasi sexta. Venit mulier de Samaria haurire aquam. Dicit ei Jesus: «Da mihi bíbere.» (Discipuli enim ejus abierant in civitatem ut cibos emerent.) Dicit ergo ei mulier illa Samaritana: «Quomodo tu Judǽus cum sis, bibere a me poscis quæ sum mulier Samaritana? non enim coutuntur Judæi Samaritanis?» Respondit Jesus, et dixit ei: «Si scires donum Dei, et quis est, qui dicit tibi: Da mihi bibere tu forsitan petisses ab eo et dedisset tibi aquam vivam.» Dicit ei mulier: «Dómine, neque in quo haurias habes, et puteus altus est: unde ergo habes aquam vivam? Numquid tu maior es patre nostro Iacob, qui dedit nobis puteum, et ipse ex eo bibit et filii ejus et pecora ejus?» Respondit Jesus, et dixit ei: «Omnis qui bibit ex aqua hac sitiet iterum: qui autem biberit ex aqua quam ego dabo ei non sitiet in æternum, sed aqua, quam dabo ei, fiet in eo fons aquæ salientis in vitam æternam.» Dicit ad eum mulier: «Dómine, da mihi hanc aquam, ut non sitiam, neque veniam huc haurire.» Dicit ei Jesus: «Vade voca virum tuum et veni huc.» Respondit mulier et dixit: «Non habeo virum.» Dicit ei Jesus: «Bene dixisti quia non habeo virum: quinque enim viros habuisti. et nunc quem habes non est tuus vir: hoc vere dixisti.» Dicit ei mulier: «Dómine video quia propheta es tu. Patres nostri in monte hoc adoraverunt, et vos dicitis quia Jerosolymis est locus ubi adorare oportet.» Dicit ei Jesus: «Mulier, crede mihi, quia veniet hora, quando neque in monte hoc, neque in Jerosolymis adorabitis Patrem. Vos adoratis quod nescitis: nos adoramus quod scimus, quia salus ex Judæis est. Sed venit hora, et nunc est, quando veri adoratores adorabunt Patrem in spiritu et veritate. Nam et Pater tales quærit, qui adorent eum. Spiritus est Deus: et eos qui adorant eum in spiritu et veritate oportet adorare.» Dicit ei mulier: «Scio quia Messias venit (qui dicitur Christus). Cum ergo venerit ille nobis annuntiabit omnia.» Dicit ei Jesus «Ego sum qui loquor tecum.» Et continuo venerunt discipuli ejus: et mirabantur quia cum muliere loquebatur. Nemo tamen dixit: «Quid quæris, aut quid loqueris cum ea? Reliquit ergo hydriam suam mulier, et abiit in civitatem, et dicit illis hominibus: «Venite, videte hominem qui dixit mihi omnia quæcumque feci. Numquid ipse est Christus.» Exierunt de civitate et veniebant ad eum. Interea rogabant eum, discipuli, dicentes: «Rabbi, manduca.» Ille autem dixit eis: «Ego cibum habeo manducare quem vos nescitis.» Dicebant ergo discipuli ad invicem: «Numquid aliquis atulit ei manducare.» Dicit eis Jesus: «Meus cibus est ut faciam voluntatem ejus qui misit me, ut perficiam opus ejus. Nonne vos dicitis, quod adhuc quattuor menses sunt, et messis venit? Ecce dico vobis: Levate oculos vestros, et videte regiones, quia albæ sunt iam ad messem. Et qui metit, mercedem accipit, et congregat fructum in vitam æternam; ut, et qui seminat, simul gaudeat, et qui metit. In hoc enim est verbum verum: quia alius est qui seminat, et alius est qui metit. Ego misi vos metere quod vos non laborastis: alii laboraverunt, et vos in laborem eorum introistis.» Ex civitate autem illa multi crediderunt in eum Samaritanorum propter verbum mulieris testimonium perhibentis. Quia dixit mihi omnia quæcumque feci. Cum venissent ergo ad illum Samaritani, rogaverunt eum ut ibi maneret. Et mansit ibi duos dies. Et multo plures crediderunt propter sermonem ejus. Et mulieri dicebant: «Quia jam non propter tuam loquellam credimus: ipsi enim audivimus et scimus quia hic est vere Salvator mundi.»


Continuação do santo Evangelho segundo são João.

NAQUELE tempo, chegou Jesus a uma cidade da Samaria chamada Sicar, perto do campo que Jacó havia dado a seu filho José. Lá é que se encontrava o poço de Jacó. Jesus, cansado da caminhada, sentara-se junto ao poço. Era por volta da sexta hora. Certa mulher da Samaria chega em busca de água; Jesus lhe disse: “Dá-me de beber.” (Seus discípulos tinham ido à cidade para comprar provisões.) A samaritana lhe disse: “Como tu, sendo judeu, me pedes de beber, a mim, que sou uma samaritana?” Os judeus, com efeito, não se dão com os samaritanos. Jesus lhe respondeu: “Se tu conhecesses o dom de Deus, e quem é aquele que te diz: Dá-me de beber, tu é que lhe terias feito este pedido, e ele te daria uma água viva.” Ela lhe disse: “Senhor, não tens nada para tirá-la, e o poço é profundo; onde irias buscar esta água viva? Serás acaso maior que nosso pai Jacó, que nos deu este poço, do qual ele próprio bebeu, assim como seus filhos e rebanhos?” Jesus lhe respondeu: “Todo aquele que beber desta água terá sede de novo; mas aquele que beber da água que eu lhe darei, nunca mais terá sede: a água que eu lhe darei tornar-se-á dentro dele uma fonte de água que borbulha para a vida eterna.” A mulher lhe disse: “Senhor, dá-me desta água, a fim de que eu não tenha mais sede, e não precise mais vir aqui.” Jesus lhe disse: “Vai, chama o teu marido e volta.” A mulher respondeu: “Eu não tenho marido.” Jesus prosseguiu: “Tens razão em dizer: Eu não tenho marido; porque tiveste cinco maridos, e o que agora tens, não é teu marido; neste ponto disseste a verdade.” A mulher lhe disse: “Senhor, vejo que és um profeta. Nossos pais adoraram nesta montanha; e, no entanto, dizeis: é em Jerusalém que se deve adorar.” Jesus lhe disse: “Crê em mim, ó mulher: chega a hora em que não é nesta montanha, nem em Jerusalém, que adorareis o Pai. Vós adorais aquilo que não conheceis; nós adoramos aquilo que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus. Mas chega a hora – e é esta – em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade, porque são estes os adoradores que o Pai procura: Deus é espírito, e aqueles que adoram, em espírito e verdade é que devem adorar.” A mulher lhe disse: “Eu sei que o Messias deve vir, aquele a quem chamam Cristo. Quando ele vier, ele nos anunciará todas as coisas.” Jesus lhe disse: “Sou eu, aquele que te fala.” Neste momento seus discípulos chegaram. Ficaram surpresos por vê-lo falar com uma mulher. Todavia nenhum deles disse: “Que pretendes?” ou: “Por que falas com ela?” A mulher, então, deixando ali seu cântaro, correu à cidade e disse ao povo: “Vinde ver um homem que me disse tudo o que eu fiz. Não será acaso o Messias?” Eles saíram da cidade e foram a Jesus. Enquanto isso, os discípulos insistiam, dizendo: “Rabi, come.” Mas ele respondeu-lhes: “Tenho para comer outro alimento que vós não conheceis.” Os discípulos perguntavam uns aos outros: “Alguém lhe terá trazido comida?” Jesus lhes disse: “Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra. Vós não dizeis: Mais quatro meses, e será a colheita? Pois bem! Eu vos digo: Erguei os olhos e vede os campos que branquejam para a colheita. Já o ceifador recebe o seu salário: ele recolhe o grão para a vida eterna, de modo que o semeador partilha também a alegria do que colhe. É assim que o provérbio diz a verdade: “Um é o que semeia, outro o que colhe: eu vos mandei semear onde não trabalhastes; outros trabalharam e vós entrais em seus trabalhos.” Inúmeros samaritanos daquela cidade creram em Jesus por causa da palavra da mulher, que dava este testemunho: “Ele me disse tudo o que eu fiz.” Assim, quando chegaram perto dele, os samaritanos convidaram-no a ficar entre eles, e ficou ali por dois dias. Foram ainda mais numerosos os que creram nele por causa da sua própria palavra; e diziam à mulher: “Não é mais por causa do que nos contaste que nós cremos; ouvimo-lo nós próprios, e sabemos que ele é mesmo o salvador do mundo.”


OFERTÓRIO

(Sl 5,3-4)

INTÉNDE voci oratiónis meæ, Rex meus et Deus meus: quóniam ad te orábo, Dómine.


Ó MEU Rei e meu Deus, atendei à minha oração; pois e a Vos, Senhor, que eu invoco.


SECRETA

RÉSPICE, quǽsumus, Dómine, propítius ad múnera quæ sacrámus: ut tibi grata sint et nobis salutária semper exsístant. Per Dóminum nostrum.


NÓS Vos rogamos, Senhor, olhai propício para estes dons que Vos consagramos, a fim de que Vos sejam agradáveis e nos sirvam sempre de salvação. Por Nosso Senhor.


Prefácio da Quaresma.


COMUNHÃO

(Sl 4,13,14)

QUI bíberit aquam, quam ego dabo ei, dicit Dóminus, fiet in eo fons aquæ saliéntis in vitam ætérnam.


A ÁGUA que eu darei, diz o Senhor, tornar-se-á naquele que a beber, fonte de água que jorrará para a vida eterna.


PÓSCOMUNHÃO

HUJUS nos, Dómine, percéptio sacraménti mundet a crimine: et ad cœléstia regna perdúcat. Per Dóminum.


A RECEPÇÃO deste Sacramento nos purifique, Senhor, de todas as nossas culpas e nos conduza ao Reino celeste. Por Nosso Senhor.


ORAÇÃO SOBRE O POVO

Oremus.

Humiliáte cápita vestra Deo.

PRÆSTA, quǽsumus, omnípotens Deus: ut, qui in tua protectióne confídimus, cuncta nobis adversántia, te adjuvánte, vincámus. Per Dóminum nostrum.


Oremos.

Humilhai as vossas cabeças diante de Deus.

NÓS Vos imploramos, ó Deus onipotente, concedei aos que confiamos em vossa proteção, podermos vencer com o auxílio de vossa graça todas as adversidades. Por Nosso Senhor.


Pode-se dizer:

V. Benedicámus Dómino.

R. Deo Grátias.



RECURSOS:

COMENTÁRIOS LITÚRGICOS: Dom Gueranger

Partes próprias da Missa: partituras

Sermão:

Meditação: Comemoração das cinco Chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo



#gueranger #samaritana #missatridentina #quaresma #propriodamissa

SIGA-NOS:

  • YouTube
  • Twitter ícone social
  • Pinterest
  • Facebook ícone social

© 2020 Apostolado FERR - Forma Extraordinária do Rito Romano