• Apostolado FERR

Missa da Terça-feira Santa




TERÇA-FEIRA DA SEMANA SANTA

Féria de I classe, paramentos roxos

Estação em Santa Prisca

Os primeiros Cristãos reuniam-se outrora provavelmente em casa de Santa Prisca, no Monte Aventino (igreja estacional). Conforme a tradição, era o próprio São Pedro quem presidia essas reuniões. São Marcos, o discípulo do primeiro Papa, nos descreve a Paixão de Jesus e fala particularmente sobre a negação de São Pedro que assim, humildemente, confessa a sua culpa. A Cruz de Jesus Cristo e para nós motivo de glória (Introito).


INTRÓITO

(Gl 6,14; Sl 66,2)

NOS autem gloriári opórtet in cruce Dómini nostri Jesu Christi: in quo est salus, vita, et resurréctio nostra: per quem salváti, et liberáti sumus. PS. Deus misereátur nostri, et benedícat nobis: illúminet vultum suum super nos, et misereátur nostri. – Nos autem.


QUANTO a nós, devemos gloriar-nos na Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. N’Ele está a nossa salvação, vida e ressurreição. Por Ele fomos salvos e livres. SL. Deus tenha piedade de nós e nos abençoe, faça resplandecer sobre nós a sua Face e se compadeça de nós. – Quanto a nós.


COLETA

OMNÍPOTENS sempitérne Deus: da nobis ita Domínicæ passiónis sacraménta perágere; ut indulgéntiam percípere mereámur. Per eúndem.


Ó DEUS onipotente e eterno, concedei-nos celebrar os Mistérios da Paixão do Senhor, de tal sorte que mereçamos alcançar a remissão de nossos pecados. Pelo mesmo Senhor.


EPÍSTOLA

(Jr 11,18-20)

Lectio Ieremíae Prophétæ

IN diébus illis: Dixit Jeremías: Dómine, demonstrásti mihi, et cognóvi: tunc ostendísti mihi stúdia eórum. Et ego quasi agnus mansúetus, qui portátur ad víctimam: et non cognóvi, quia cogitavérunt super me consília, dicéntes: Mittámus lignum in panem ejus, et eradámus eum de terra vivéntium, et nomen ejus non memorétur ámplius. Tu autem, Dómine Sábaoth, qui júdicas juste et probas renes et corda, vídeam ultiónem tuam ex eis: tibi enim revelávi causam meam, Dómine, Deus meus.


Leitura do livro do profeta Jeremias.

NAQUELES dias, Jeremias disse ao Senhor: “Senhor, tu me revelaste, eu sei, tu me deste a conhecer suas manobras. Eu, porém, era um cordeiro manso, que se leva ao matadouro, sem conhecer a trama que forjavam contra mim. Eles diziam: “Destruamos a árvore em plena seiva, arranquemo-lo da terra dos vivos, a fim de que se esqueça o seu nome!” Mas tu, Senhor do universo, que julgas com justiça, que sondas os rins e os corações, eu verei tua vingança sobre eles, porque é a ti que confio a minha causa, ó Senhor, meu Deus.”


GRADUAL

(Sl 34,13.1-3)

EGO autem, dum mihi molésti essent, induébam me cilício, et humiliábam in jejúnio ánimam meam : et orátio mea in sinu meo convertétur. V. Júdica, Dómine, nocéntes me, expúgna impugnántes me : apprehénde arma et scutum, et exsúrge in adjutórium mihi.


MAS quanto a mim, enquanto me afligiam, vestia-me de saco e jejuava; e não cessava em mim a minha prece! V. Sede o juiz, Senhor, dos que me ferem; combatei, ó Deus, quem me combate! Empunhai vossas armas, vosso escudo; levantai-vos, Senhor, em meu socorro!


PAIXÃO DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO SEGUNDO SÃO MARCOS

(Mc 14,32-72; 15,1-46)

A Paixão segundo São Marcos é cantada depois do Gradual com os mesmos ritos que se observaram na de São Mateus.

Cronista: In illo témpore: Jesus et discipuli ejus véniunt in prǽdium, cui nomen Gethsémani. Et ait discípulis suis:

Cristo: Sedéte hic, donec orem.

Cronista: Et assúmit Petrum et Jacóbum et Joánnem secum: et coepit pavére et tædére. Et ait illis:

Cristo: Tristis est anima mea usque ad mortem: sustinéte hic, et vigiláte.

Cronista: Et cum processísset páululum, prócidit super terram: et orábat, ut, si fíeri posset, transíret ab eo hora: et dixit:

Cristo: Abba, Pater, ómnia tibi possibília sunt, transfer cálicem hunc a me: sed non quod ego volo, sed quod tu.

Cronista: Et venit et invénit eos dormiéntes. Et ait Petro:

Cristo: Simon, dormis? Non potuísti una hora vigiláre? Vigilate et oráte, ut non intrétis in tentatiónem. Spíritus quidem promptus est, caro vero infírma.

Cronista: Et íterum ábiens orávit, eúndem sermónem dicens. Et revérsus, dénuo invénit eos dormiéntes (erant enim óculi eórum gravati) et ignorábant, quid respondérent ei. Et venit tértio, et ait illis:

Cristo: Dormíte jam et requiéscite. Súfficit: venit hora: ecce, Fílius hóminis tradétur in manus peccatórum. Súrgite, eámus: ecce, qui me tradet, prope est.

Cronista: Et, adhuc eo loquénte, venit Judas Iscariótes, unus de duódecim, et cum eo turba multa cum gládiis et lignis, a summis sacerdótibus et scribis et senióribus. Déderat autem tráditor ejus signum eis, diceris:

Sinagoga: Quemcúmque osculátus fúero, ipse est, tenéte eum et dúcite caute.

Cronista: Et cum venísset, statim accédens ad eum, ait:

Sinagoga: Ave, Rabbi.

Cronista: Et osculátus est eum. At illi manus injecérunt in eum, et tenuérunt eum. Unus autem quidam de circumstántibus, edúcens gládium, percussit servum summi sacerdótis: et amputávit illi aurículam. Et respóndens Jesus, ait illis:

Cristo: Tamquam ad latrónem exístis cum gládiis et lignis comprehéndere me? cotídie eram apud vos in templo docens, et non me tenuístis. Sed ut impleántur Scriptúræ.

Cronista: Tunc discípuli ejus relinquéntes eum, omnes fugérunt. Adoléscens autem quidam sequebátur eum amíctus síndone super nudo: et tenuérunt eum. At ille, rejécta síndone, nudus profúgit ab eis. Et adduxérunt Jesum ad summum sacerdótem: et convenérunt omnes sacerdótes et scribæ et senióres. Petrus autem a longe secútus est eum usque intro in átrium summi sacerdótis: et sedébat cum minístris ad ignem, et calefaciébat se. Summi vero sacerdótes et omne concílium quærébant advérsus Jesum testimónium, ut eum morti tráderent, nec inveniébant. Multi enim testimónium falsum dicébant advérsus eum: et conveniéntia testimónia non erant. Et quidam surgéntes, falsum testimónium ferébant advérsus eum, dicéntes:

Sinagoga: Quóniam nos audívimus eum dicéntem: Ego dissólvant! templum hoc manufáctum, et per tríduum áliud non manufáctum ædificábo.

Cronista: Et non erat convéniens testimónium illórum. Et exsúrgens summus sacérdos in médium, interrogávit Jesum, dicens:

Sinagoga: Non respóndes quidquam ad ea, quæ tibi objiciúntur ab his?

Cronista: Ille autem tacébat et nihil respóndit. Rursum summus sacérdos interrogábat eum, et dixit ei:

Sinagoga: Tu es Christus, Fílius Dei benedícti?

Cronista: Jesus autem dixit illi:

Cristo: Ego sum: et vidébitis Fílium hóminis sedéntem a dextris virtútis Dei, et veniéntem cum núbibus coeli.

Cronista: Summus autem sacérdos scindens vestiménta sua, ait:

Sinagoga: Quid adhuc desiderámus testes? Audístis blasphémiam: quid vobis videtur?

Cronista: Qui omnes condemnavérunt eum esse reum mortis. Et coepérunt quidam conspúere eum, et veláre fáciem ejus, et cólaphis eum cǽdere, et dícere ei:

Sinagoga: Prophetíza.

Cronista: Et minístri álapis cum cædébant. Et cum esset Petrus in átrio deórsum, venit una ex ancíllis summi sacerdótis: et cum vidísset Petrum calefaciéntem se, aspíciens illum, ait:

Sinagoga: Et tu cum Jesu Nazaréno eras.

Cronista: At ille negávit, dicens:

Sinagoga: Neque scio neque novi, quid dicas.

Cronista: Et éxiit foras ante átrium, et gallus cantávit. Rursus autem cum vidísset illum ancílla, coepit dícere circumstántibus: Quia hic ex illis est. At ille íterum negávit. Et post pusíllum rursus, qui astábant, dicébant Petro:

Sinagoga: Vere ex illis es: nam et Galilǽus es.

Cronista: Ille autem coepit anathematizáre et juráre: Quia néscio hóminem istum, quem dícitis. Et statim gallus íterum cantávit. Et recordátus est Petrus verbi, quod díxerat ei Jesus: Priúsquam gallus cantet bis, ter me negábis. Et coepit flere. Et conféstim mane consílium faciéntes summi sacerdótes, cum senióribus et scribis et univérso concílio, vinciéntes Jesum, duxérunt, et tradidérunt Piláto. Et interrogávit eum Pilátus:

Sinagoga: Tu es Rex Judæórum?

Cronista: At ille respóndens, ait illi:

Cristo: Tu dicis.

Cronista: Et accusábant eum summi sacerdotes in multis. Pilátus autem rursum interrogávit eum, dicens:

Sinagoga: Non respóndes quidquam? vide, in quantis te accúsant.

Cronista: Jesus autem ámplius nihil respóndit, ita ut mirarétur Pilátus. Per diem autem festum solébat dimíttere illis unum ex vinctis, quemcúmque petiíssent. Erat autem, qui dicebátur Barábbas, qui cum seditiósis erat vinctus, qui in seditióne fécerat homicídium. Et cum ascendísset turba, coepit rogáre, sicut semper faciébat illis. Pilátus autem respóndit eis, et dixit:

Sinagoga: Vultis dimíttam vobis Regem Judæórum?

Cronista: Sciébat enim, quod per invídiam tradidíssent eum summi sacerdótes. Pontifices autem concitavérunt turbam, ut magis Barábbam dimítteret eis. Pilátus autem íterum respóndens, ait illis:

Sinagoga: Quid ergo vultis fáciam Regi Judæórum?

Cronista: At illi íterum clamavérunt:

Sinagoga: Crucifíge eum.

Cronista: Pilátus vero dicébat illis:

Sinagoga: Quid enim mali fecit?

Cronista: At illi magis clamábant:

Sinagoga: Crucifíge eum.

Cronista: Pilátus autem volens populo satisfácere, dimisit illis Barábbam, et trádidit Jesum flagellis cæsum, ut crucifígerétur. Mílites autem duxérunt eum in átrium prætórii, et cónvocant totam cohórtem, et índuunt eum púrpura, et impónunt ei plecténtes spíneam corónam. Et coepérunt salutáre eum: Ave, Rex Judæórum. Et percutiébant caput ejus arúndine: et conspuébant eum et, ponéntes génua, adorábant eum. Et postquam illusérunt ei, exuérunt illum púrpura, et induérunt eum vestiméntis suis: et edúcunt illum, ut crucifígerent eum. Et angariavérunt prætereúntem quémpiam, Simónem Cyrenǽum, veniéntem de villa, patrem Alexándri et Rufi, ut tólleret crucem ejus. Et perdúcunt illum in Gólgotha locum, quod est interpretátum Calváriæ locus. Et dabant ei bíbere myrrhátum vinum: et non accépit. Et crucifigéntes eum, divisérunt vestiménta ejus, mitténtes sortem super eis, quis quid tólleret. Erat autem hora tértia: et crucifixérunt eum. Et erat títulus causæ ejus inscríptus: Rex Judæórum. Et cum eo crucifígunt duos latrónes: unum a dextris et alium a sinístris ejus. Et impléta est Scriptúra, quæ dicit: Et cum iníquis reputátus est. Et prætereúntes blasphemábant eum, movéntes cápita sua et dicéntes:

Sinagoga: Vah, qui déstruis templum Dei, et in tribus diébus reædíficas: salvum fac temetípsum, descéndens de cruce.

Cronista: Simíliter et summi sacerdótes illudéntes, ad altérutrum cum scribis dicébant:

Sinagoga: Alios salvos fecit, seípsum non potest salvum fácere. Christus Rex Israël descéndat nunc de cruce, ut videámus et credámus.

Cronista: Et qui cum eo crucifíxi erant, conviciabántur ei. Et facta hora sexta, ténebræ factæ sunt per totam terram, usque in horam nonam. Et hora nona exclamávit Jesus voce magna, dicens:

Cristo: Eloi, Eloi, lamma sabactháni?

Cronista: Quod est interpretátum:

Cristo: Deus meus, Deus meus, ut quid dereliquísti me?

Cronista: Et quidam de circumstántibus audiéntes, dicébant:

Sinagoga: Ecce, Elíam vocat.

Cronista: Currens autem unus, et implens spóngiam acéto, circumponénsque cálamo, potum dabat ei, dicens:

Sinagoga: Sínite, videámus, si véniat Elías ad deponéndum eum.

Cronista: Jesus autem emíssa voce magna exspirávit.


(Hic genuflectitur, et pausatur aliquantulum)


Cronista: Et velum templi scissum est in duo, a summo usque deórsum. Videns autem centúrio, qui ex adverso stabat, quia sic clamans exspirásset, ait:

Sinagoga: Vere hic homo Fílius Dei erat.

Cronista: Erant autem et mulíeres de longe aspiciéntes: inter quas erat María Magdaléne, et María Jacóbi minóris, et Joseph mater, et Salóme: et cum esset in Galilǽa, sequebántur eum, et ministrábant ei, et áliæ multæ, quæ simul cum eo ascénderant Jerosólymam. Et cum jam sero esset factum (quia erat Parascéve, quod est ante sábbatum) venit Joseph ab Arimathǽa, nóbilis decúrio, qui et ipse erat exspéctans regnum Dei, et audácter introívit ad Pilátum, et pétiit corpus Jesu. Pilátus autem mirabátur, si jam obiísset. Et accersíto centurióne, interrogávit eum, si jam mórtuus esset. Et cum cognovísset a centurióne, donávit corpus Joseph. Joseph autem mercátus síndonem, et depónens eum invólvit síndone, et pósuit eum in monuménto, quod erat excísum de petra, et advólvit lápidem ad óstium monuménti.







Cronista: Naquele tempo, Jesus com os Seus discípulos dirigiu-Se para o lugar chamado Getsêmani. E Jesus disse a Seus discípulos:

Cristo: Sentai-vos aqui, enquanto vou rezar.

Cronista: Levou consigo Pedro, Tiago e João; e começou a ter pavor e a angustiar-Se. Disse-lhes:

Cristo: A minha alma está numa tristeza mortal; ficai aqui e vigiai.

Cronista: Adiantando-Se alguns passos, prostrou-Se com a face por terra e orava que, se fosse possível, passasse Dele aquela hora. E disse:

Cristo: Aba! Tudo Te é possível; afasta de Mim este cálice! Contudo, não se faça o que Eu quero, senão o que Tu queres.

Cronista: Em seguida, foi ter com Seus discípulos e achou-os dormindo. Disse a Pedro:

Cristo: Simão, dormes? Não pudeste vigiar uma hora!? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação. Pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca.

Cronista: Afastou-Se outra vez e orou, dizendo as mesmas palavras. Voltando, achou-os de novo dormindo, porque seus olhos estavam pesados; e não sabiam o que Lhe responder. Voltando pela terceira vez, disse-lhes:

Cristo: Dormi e descansai. Basta! Veio a hora! O Filho do homem vai ser entregue nas mãos dos pecadores. Levantai-vos e vamos! Aproxima-se o que há de Me entregar.

Cronista: Ainda falava, quando chegou Judas Iscariotes, um dos Doze, e com ele um bando armado de espadas e porretes, enviado pelos sumos sacerdotes, escribas e anciãos. Ora, o traidor tinha-lhes dado o seguinte sinal:

Sinagoga: Aquele a quem eu beijar é Ele. Prendei-O e levai-O com cuidado.

Cronista: Assim que ele se aproximou de Jesus, disse:

Sinagoga: Rabi!

Cronista: E o beijou. Lançaram-Lhe as mãos e O prenderam. Um dos circunstantes tirou da espada, feriu o servo do sumo sacerdote e decepou-lhe a orelha. Mas Jesus tomou a palavra e disse-lhes:

Cristo: Como a um bandido, saístes com espadas e porretes para prender-me! Entretanto, todos os dias estava convosco, ensinando no templo, e não Me prendestes. Mas isso acontece para que se cumpram as Escrituras.

Cronista: Então todos O abandonaram e fugiram. Seguia-O um jovem coberto somente de um pano de linho; e prenderam-no. Mas, lançando ele de si o pano de linho, escapou-lhes despido. Conduziram Jesus à casa do sumo sacerdote, onde se reuniram todos os sacerdotes, escribas e anciãos. Pedro o foi seguindo de longe até dentro do pátio. Sentou-se junto do fogo com os servos e aquecia-se. Os sumos sacerdotes e todo o conselho buscavam algum testemunho contra Jesus, para O condenar à morte, mas não o achavam. Muitos diziam falsos testemunhos contra Ele, mas seus depoimentos não concordavam. Levantaram-se, então, alguns e deram esse falso testemunho contra Ele:

Sinagoga: Ouvimo-Lo dizer: Eu destruirei este templo, feito por mãos de homens, e em três dias edificarei outro, que não será feito por mãos de homens.

Cronista: Mas nem neste ponto eram coerentes os seus testemunhos. O sumo sacerdote levantou-se no meio da assembleia e perguntou a Jesus:

Sinagoga: Não respondes nada? O que é isto que dizem contra Ti?

Cronista: Mas Jesus Se calava e nada respondia. O sumo sacerdote tornou a perguntar-Lhe:

Sinagoga: És tu o Cristo, o Filho de Deus bendito?

Cronista: Jesus respondeu:

Cristo: Eu o sou. E vereis o Filho do Homem sentado à direita do poder de Deus, vindo sobre as nuvens do Céu.

Cronista: O sumo sacerdote rasgou então as suas vestes, e disse:

Sinagoga: Para que desejamos ainda testemunhas?! Ouvistes a blasfêmia! Que vos parece?

Cronista: E unanimemente O julgaram merecedor da morte. Alguns começaram a cuspir Nele, a tapar-Lhe o rosto, a dar-Lhe socos e a dizer-Lhe:

Sinagoga: Adivinha!

Cronista: Os servos igualmente davam-Lhe bofetadas. Estando Pedro embaixo, no pátio, veio uma das criadas do sumo sacerdote. Ela fixou os olhos em Pedro, que se aquecia, e disse:

Sinagoga: Também tu estavas com Jesus de Nazaré.

Cronista: Ele negou:

Sinagoga: Não sei, nem compreendo o que dizes.

Cronista: E saiu para a entrada do pátio; e o galo cantou. A criada, que o vira, começou a dizer aos circunstantes:

Sinagoga: Este faz parte do grupo deles.

Cronista: Mas Pedro negou outra vez. Pouco depois, os que ali estavam diziam de novo a Pedro:

Sinagoga: Certamente tu és daqueles, pois és Galileu.

Cronista: Então ele começou a praguejar e a jurar:

Sinagoga: Não conheço esse homem de quem falais.

Cronista: E imediatamente cantou o galo pela segunda vez. Pedro lembrou-se da palavra que Jesus lhe havia dito: antes que o galo cante duas vezes, três vezes Me negarás. E, lembrando-se disso, rompeu em soluços. Logo pela manhã se reuniram os sumos sacerdotes com os anciãos, os escribas e com todo o conselho. E tendo amarrado Jesus, levaram-No e entregaram-No a Pilatos. Este Lhe perguntou:

Sinagoga: És tu o rei dos judeus?

Cronista: Ele lhe respondeu:

Cristo: Tu o dizes.

Cronista: Os sumos sacerdotes acusavam-No de muitas coisas. Pilatos perguntou-lhe outra vez:

Sinagoga: Nada respondes? Vê de quantos delitos Te acusam!

Cronista: Mas Jesus nada mais respondeu, de modo que Pilatos ficou admirado. Ora, costumava ele soltar-lhes em cada festa qualquer dos presos que pedissem. Havia na prisão um, chamado Barrabás, que fora preso com seus cúmplices, o qual na sedição cometera um homicídio. O povo que tinha subido começou a pedir-lhe aquilo que sempre lhes costumava conceder. Pilatos respondeu-lhes:

Sinagoga: Quereis que vos solte o rei dos judeus?

Cronista: (Porque sabia que os sumos sacerdotes o haviam entregue por inveja.) Mas os pontífices instigaram o povo para que pedissem de preferência que lhes soltasse Barrabás. Pilatos falou-lhes outra vez:

Sinagoga: E que quereis que eu faça daquele a quem chamais o rei dos judeus?

Cronista: Eles tornaram a gritar:

Sinagoga: Crucifica-O!

Cronista: Pilatos replicou:

Sinagoga: Mas que mal fez Ele?

Cronista: Eles clamavam mais ainda:

Sinagoga: Crucifica-O!

Cronista: Querendo Pilatos satisfazer o povo, soltou-lhes Barrabás e entregou Jesus, depois de açoitado, para que fosse crucificado. Os soldados conduziram-No ao interior do pátio, isto é, ao pretório, onde convocaram toda a coorte. Vestiram Jesus de púrpura, teceram uma coroa de espinhos e a colocaram na Sua cabeça. E começaram a saudá-Lo: salve, rei dos judeus! Davam-Lhe na cabeça com uma vara, cuspiam Nele e punham-se de joelhos como para homenageá-Lo. Depois de terem escarnecido Dele, tiraram-Lhe a púrpura, deram-Lhe de novo as vestes e conduziram-No fora para O crucificar. Passava por ali certo homem de Cirene, chamado Simão, que vinha do campo, pai de Alexandre e de Rufo, e obrigaram-no a que lhe levasse a cruz. Conduziram Jesus ao lugar chamado Gólgota, que quer dizer lugar do crânio. Deram-lhe de beber vinho misturado com mirra, mas Ele não o aceitou. Depois de O terem crucificado, repartiram as Suas vestes, tirando a sorte sobre elas, para ver o que tocaria a cada um. Era a hora terceira quando O crucificaram. A inscrição que motivava a Sua condenação dizia: o Rei dos judeus. Crucificaram com ele dois bandidos: um à Sua direita e outro à esquerda. Cumpriu-se assim a passagem da Escritura que diz: Ele foi contado entre os malfeitores (Is 53,12). Os que iam passando injuriavam-No e abanavam a cabeça, dizendo:

Sinagoga: Tu que destróis o templo e o reedificas em três dias, salva-Te a Ti mesmo! Desce da cruz!

Cronista: Desta maneira, escarneciam Dele também os sumos sacerdotes e os escribas, dizendo uns para os outros:

Sinagoga: Salvou a outros e a Si mesmo não pode salvar! Que o Cristo, rei de Israel, desça agora da cruz, para que vejamos e creiamos!

Cronista: Também os que haviam sido crucificados com Ele O insultavam. Desde a hora sexta até a hora nona, houve trevas por toda a terra. E à hora nona Jesus bradou em alta voz:

Cristo: Eli, Eli, lamma sabactáni?

Cronista: Que quer dizer:

Cristo: Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?

Cronista: Ouvindo isto, alguns dos circunstantes diziam:

Sinagoga: Ele chama por Elias!

Cronista: Um deles correu e ensopou uma esponja em vinagre e, pondo-a na ponta de uma vara, deu-Lhe para beber, dizendo:

Sinagoga: Deixai, vejamos se Elias vem tirá-Lo.

Cronista: Jesus deu um grande brado e expirou.


Aqui ajoelha-se e faz-se uma breve pausa.


Cronista: O véu do templo rasgou-se então de alto a baixo em duas partes. O centurião que estava diante de Jesus, ao ver que Ele tinha expirado assim, disse:

Sinagoga: Este homem era realmente o Filho de Deus.

Cronista: Achavam-se ali também umas mulheres, observando de longe, entre as quais Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, o Menor, e de José, e Salomé, que O tinham seguido e O haviam assistido, quando Ele estava na Galiléia; e muitas outras que haviam subido juntamente com Ele a Jerusalém. Quando já era tarde - era a Preparação, isto é‚ é a véspera do sábado -, veio José de Arimatéia, ilustre membro do conselho, que também esperava o Reino de Deus; ele foi resoluto à presença de Pilatos e pediu o corpo de Jesus. Pilatos admirou-se de que ele tivesse morrido tão depressa. E, chamando o centurião, perguntou se já havia muito tempo que Jesus tinha morrido. Obtida a resposta afirmativa do centurião, mandou dar-lhe o corpo. Depois de ter comprado um pano de linho, José tirou-O da cruz, envolveu-O no pano e depositou-O num sepulcro escavado na rocha, rolando uma pedra para fechar a entrada.


OFERTÓRIO

(Sl 139,5)

CUSTÓDI me, Dómine, de manu peccatóris: et ab homínibus iníquis éripe me.


PRESERVAI-ME, Senhor, da mão do pecador, e livrai-me dos homens iníquos.


SECRETA

SACRIFÍCIA nos, quǽsumus, Dómine, propénsius ista restáurent: quæ medicinálibus sunt institúta jejúniis.


NÓS Vos suplicamos, Senhor, que estes sacrifícios por serem acompanhados de jejuns salutares, tanto mais eficazmente restaurem as nossas almas. Por Nosso Senhor.


Prefácio da Santa Cruz.


COMUNHÃO

(Sl 68,13-14)

ADVÉRSUM me exercebántur, qui sedébant in porta; et in me psallébant, qui bibébant vinum: ego vero oratiónem meam ad te, Dómine: tempus benepláciti, Deus, in multitúdine misericórdiæ tuæ.


FALAM contra mim os que se sentam a porta e enquanto bebem vinho, entoam canções contra mim. Eu, porém, Senhor, Vos dirijo a minha oração. Ó Deus, o tempo da graça chegou agora, pela abundância de vossa misericórdia.


PÓSCOMUNHÃO

SANCTIFICATIÓNIBUS tuis, omnípotens Deus: et vítia nostra curéntur, et remédia nobis sempitérna provéniant.


Ó DEUS onipotente, por, vossos santos Mistérios sejamos purificados de nossos vícios e nos venham os remédios da salvação eterna. Por Nosso Senhor.


ORAÇÃO SOBRE O POVO

Oremus.

Humiliáte cápita vestra Deo.

TUA nos misericórdia, Deus, et ab omni subreptióne vetustátis expúrget, et capáces sanctæ novitátis efficiat.


Oremos.

Humilhai as vossas cabeças diante de Deus.

VOSSA misericórdia, ó Deus, nos purifique de todas as tendências más do homem velho, e nos torne capazes de recebermos a Vida nova da santidade. Por Nosso Senhor.


Pode-se dizer:

V. Benedicámus Dómino.

R. Deo Grátias.



RECURSOS:

COMENTÁRIOS LITÚRGICOS: Dom Gueranger

Partes próprias da Missa: partituras

Sermão:

Meditação: 1 - Jesus é coroado de espinhos e apresentado ao povo

2 - Jesus é condenado e vai ao Calvário

SIGA-NOS:

  • YouTube
  • Twitter ícone social
  • Pinterest
  • Facebook ícone social

© 2019 Apostolado FERR - Forma Extraordinária do Rito Romano