• Apostolado FERR

O Sábado da II semana da Quaresma



COMENTÁRIOS LITÚRGICOS SOBRE O

SÁBADO DA II SEMANA DA QUARESMA

O Ano Litúrgico

Dom Próspero Gueranger


A Estação é celebrada na igreja de São Pedro e Marcelino, famosos mártires de Roma, pela perseguição de Diocleciano, cujos nomes estão inscritos no Cânon da Missa.


COLETA

SENHOR, nós Vos rogamos, dai a nossos jejuns efeitos salutares, para que a mortificação que fazemos na carne seja proveitosa à saúde de nossas almas. Por Nosso Senhor.


EPÍSTOLA

Leitura do livro do Gêneses.

NAQUELES dias, disse Rebeca a seu filho Jacó: “Ouvi teu pai falar a teu irmão Esaú e dizer-lhe: Traze-me alguma caça, e prepara um prato saboroso. Eu comerei, e te abençoarei diante de Deus antes de morrer. Agora, meu filho, ouve-me, e segue o meu conselho. Vai ao rebanho e traze dois belos cabritos. Farei com eles um prato saboroso, como teu pai aprecia. Tu o levarás a teu pai, e ele comerá; e então te abençoará, antes de morrer.” Jacó disse a Rebeca, sua mãe: “Tu sabes que meu irmão Esaú é um homem peludo, ao passo que minha pele é lisa. Talvez meu pai me toque, e pense que eu quis enganá-lo, e atrairei sobre mim a maldição em vez da bênção!” Mas sua mãe respondeu: “A maldição seria para mim, meu filho! Trata de escutar-me, vai, e traze o que eu disse.” Ele foi, portanto, buscar os cabritos e trouxe-os a sua mãe que fez um prato saboroso, como seu pai apreciava. Em seguida Rebeca tomou as roupas de seu filho Esaú, as mais belas que tinha em casa, e com elas revestiu Jacó, seu filho mais moço. Com a pele dos cabritos cobriu-lhe as mãos e a parte nua do pescoço. E pôs, em seguida, nas mãos de Jacó, seu filho, o prato e o pão que havia preparado. Chegou ele junto ao pai e disse: “Meu pai.” Este respondeu: “Estou aqui! Quem és tu, meu filho?” Jacó disse a seu pai: “Eu sou, Esaú, teu primogênito. Fiz o que me havias dito. Levanta-te, senta-te, e come da minha caça, a fim de que me abençoes.” Isaac disse a seu filho: “Como encontraste tão depressa?” Ele respondeu: “Foi da vontade do Senhor teu Deus, que a caça viesse ao meu encontro.” Isaac disse a Jacó: “Aproxima-te, pois, meu filho, para que eu toque em você, a fim de saberes se és ou não o meu filho Esaú!” Jacó aproximou-se de seu pai Isaac. Este o apalpou e disse: “A voz é a voz de Jacó, mas as mãos são as mãos de Esaú!” Ele não o reconheceu, porque suas mãos estavam peludas como as do irmão, Esaú; e então o abençoou. Depois ele disse: “Tu és mesmo o meu filho Esaú?” Jacó respondeu-lhe: “Sim, eu sou.” Isaac prosseguiu: “Traze a caça para que eu coma, meu filho, a fim de que te abençoe.” Jacó o serviu, e ele comeu. Em seguida apresentou-lhe o vinho, e ele bebeu. Isaac, seu pai, lhe disse: “Aproxima-te, meu filho, e beija-me.” Ele se aproximou e deu-lhe um beijo. Logo que Isaac sentiu-lhe o cheiro das roupas, ele o abençoou dizendo: “Eis que o perfume do meu filho é como o cheiro de um campo que o Senhor abençoa. Que Deus te dê o orvalho do céu e a fertilidade da terra, trigo e vinho em abundância! Que as nações te sirvam, que os povos se prostrem diante de ti! Sê o senhor de teus irmãos, e que os filhos de tua mãe se prostrem diante de ti! Maldito seja quem te amaldiçoar, bendito seja quem te abençoar!” Mal Isaac abençoara Jacó, e deixava Jacó seu pai Isaac, seu irmão Esaú voltou da caça, preparou também um prato saboroso, trouxe a seu pai e lhe disse: “Que meu pai se levante, e coma a caça de seu filho, a fim de que me abençoe!” Isaac,seu pai, lhe disse: “Quem és tu?” Ele respondeu: “Eu sou teu filho, teu primogênito, Esaú.” Isaac foi sacudido por um grande tremor, e disse: “Quem foi, então, aquele que matou a caça e me trouxe? Eu comi de tudo antes que viesses e o abençoei, e ele ficará abençoado!” Quando Esaú ouviu as palavras do pai, soltou um grito cheio de aflição e disse ao pai: “Abençoa-me também, meu pai!” Mas este respondeu-lhe: “Teu irmão agiu com astúcia e tomou a tua bênção.” Esaú replicou: “Terá sido porque lhe deram o nome de Jacó que me suplantou duas vezes? Tomara-me o direito de primogênito, e eis que toma agora a minha bênção!” Em seguida ele disse: “Não terás ainda uma bênção para mim?” Isaac respondeu a Esaú: “Eu o fiz teu senhor, dei-lhe todos os seus irmãos como servos, e o provi de trigo e de vinho. Que fazer por ti, meu filho, depois disso?” Esaú lhe disse: “Só tens, então, uma bênção, meu pai? Abençoa-me também, meu pai!” Esaú pôs-se a chorar com força. Então seu pai Isaac retomou a palavra e lhe disse: “Longe das terras férteis será a tua morada, longe do orvalho do céu.”


Esaú e Jacó – Os dois filhos de Isaque são outra ilustração dos julgamentos de Deus sobre Israel e a vocação dos gentios. A instrução contida nesta passagem de Gêneses era destinada aos catecúmenos. Aqui temos dois irmãos, Esaú, o mais velho, e Jacó, o mais novo; Esaú representa o povo judeu, ele é o herdeiro de seu pai e, como tal, tem um futuro glorioso diante de si. Jacó, embora irmão gêmeo de Esaú, é o segundo filho e não tem direito à bênção especial que Esaú prometeu: ele é a figura dos gentios. Como, então, é que Jacó recebe a bênção e não Esaú? O livro sagrado nos diz que Esaú é um homem de mente carnal. Em vez de negar-se a satisfação momentânea de seu apetite, sacrifica as vantagens espirituais, que a bênção de seu pai lhe concederia: ele vende seu direito de nascimento a Jacob por um prato de sopa. Conhecemos o plano da mãe para garantir a reivindicação de Jacó, e como o pai idoso é, sem suspeitar, o instrumento nas mãos de Deus, ratificando e abençoando essa substituição, da qual ele mesmo não tinha conhecimento. Esaú, tendo voltado para casa, é informado da grandeza de sua perda, mas já é tarde demais, e ele se tornou um inimigo para seu irmão.


Figuras dos judeus e dos gentios – A mesma coisa acontece com o povo judeu: eles têm a mente carnal e perdem seu direito de nascimento, sua preeminência sobre os gentios, se recusam a reconhecer um Messias que é pobre e perseguido, sua ambição é para o triunfo terreno e a grandeza terrena, e o único Reino que Jesus oferece aos seus seguidores é espiritual. Os judeus, então, rejeitam esse Messias, mas os gentios o recebem, e eles se tornam os primogênitos, as pessoas favorecidas. E enquanto os judeus repudiavam essa substituição (à qual, no entanto, eles concordaram, quando disseram a Pilatos: “Não queremos que este homem reine sobre nós” [Lc 19,14]), ficaram indignados ao ver o Pai Celestial conceder todo o seu amor e bênçãos ao povo cristão. Aqueles que são filhos de Abraão, segundo a carne, são deserdados, e aqueles que são filhos de Abraão somente pela fé, evidentemente são os filhos da promessa; de acordo com aquelas palavras do Senhor, que ele falou àquele grande patriarca: “Eu multiplicarei a tua semente como as estrelas do céu e como a areia que está à beira do mar... Na tua descendência (isto é, ‘naquele que há de nascer da tua raça’), todas as nações da terra serão abençoadas” ( Gn 22,17-18).


EVANGELHO

Continuação do santo Evangelho segundo São Lucas.

NAQUELE tempo, disse Jesus aos escribas e fariseus esta parábola: “Um homem tinha dois filhos. O mais moço disse a seu pai: “Pai, dá-me a parte da fortuna que me cabe.” O pai repartiu com ele a fortuna. Alguns dias depois, juntou o jovem todos os seus haveres e partiu para um lugar distante, onde dissipou toda a fortuna numa vida louca. Quando gastara tudo, sobreveio na região uma grande fome e ele também se viu na miséria. Foi por-se a serviço de um homem do lugar, e este o mandou para o campo guardar porcos. Ele tinha vontade de matar sua fome com a comida que os porcos comiam; mas ninguém lhe dava. Caindo em si, ele disse: “Quantos empregados na casa de meu pai têm pão com fartura, e eu morro aqui de fome! Vou levantar-me, vou a meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti; não sou mais digno de ser chamado teu filho; trata-me como a um de teus empregados.” Ele se levantou e partiu ao encontro do pai. Estava ainda longe quando seu pai o viu, e, tomado de compaixão, correu, lançou-se em seu pescoço e o beijou. Então o filho lhe disse: “Pai, pequei contra o céu e contra ti; não sou mais digno de ser chamado teu filho.” Mas o pai disse a seus servos: “Trazei depressa a mais bela veste e vesti-o, colocai-lhe um anel na mão e calçados nos pés. Trazei um vitelo gordo, matai-o, comamos e banqueteemo-nos, pois este meu filho estava morto, e voltou à vida, estava perdido, e foi encontrado.” Eles se puseram, então, a banquetear-se. Ora, o filho mais velho estava no campo. Ao regressar, quando se aproximou da casa, ouviu a música e as danças. Chamou um dos servos e perguntou-lhe o que era. O servo lhe disse: “Teu irmão voltou, e teu pai matou o vitelo gordo porque o reencontrou com saúde.” Então se encheu de cólera e recusou-se a entrar. O pai saiu para pedir-lhe que o fizesse. Mas ele respondeu ao pai: “Há tantos anos que eu te sirvo, e jamais me deste um cabrito para banquetear-me com meus amigos. Mas quando este teu filho, que dissipou seus bens com as mulheres, volta de novo, matas para ele o vitelo gordo.” O pai lhe disse: “Meu filho, tu estás sempre comigo e tudo o que é meu é teu. Mas era preciso nos banquetearmos e nos alegrarmos, porque este teu irmão estava morto, e voltou à vida, estava perdido, e foi encontrado!”


Regresso do filho pródigo – O mistério trazido diante de nós na Epístola é repetido em nosso evangelho. Mais uma vez, é a história de dois irmãos: o mais velho fica zangado ao ver seu pai mostrar misericórdia para com o mais novo. Este irmão mais novo foi para o exterior para um país distante, deixou a casa de seu pai, para que não estivesse sob seu controle e se permitisse todo tipo de desordem. Mas, quando veio uma grande fome, e ele estava perecendo de fome, lembrou-se de que tinha um pai; e, imediatamente, se levantou e humildemente implorou a seu pai que o recebesse e lhe desse o último lugar naquela Casa que, por sua própria insensatez, poderia ter sido toda sua. O pai recebeu o pródigo com o carinho mais terno, não só o perdoou e restaurou todos os seus direitos familiares; não, ele teria uma festa em comemoração desse retorno feliz. O irmão mais velho, ouvindo o que o pai havia feito, ficou indignado e concebeu o mais amargo ciúme contra seu irmão mais novo. Deixe os judeus ficarem com ciúmes, se quiserem, deixe-os indignar-se com o seu Deus por mostrar sua misericórdia a qualquer um, exceto a si mesmos. Chegou o tempo em que todas as nações da terra serão chamadas para formação da Igreja. Os gentios, apesar de toda a miséria em que seus erros e paixões os levaram, devem receber a pregação dos Apóstolos. Gregos e romanos, citas e bárbaros, estão por vir, reconhecendo humildemente o mal de seus caminhos e pedindo para compartilhar os favores oferecidos a Israel. Não só lhes é permitido comer das migalhas que caem da mesa, como pedia a pobre mulher de Cananéia, eles devem ser feitos Filhos e Herdeiros do Pai, com todos os direitos e privilégios legítimos. Israel ficará com ciúmes e protestará, mas sem propósito. Ele se recusará a participar da festa, não importa, a festa nem por isso deixará de ser celebrada. Esta festa é a Páscoa. Os pródigos que vieram, famintos e nus, para a casa do Pai, são nossos catecúmenos, a quem Deus está prestes a conceder a graça da adoção.


A infinita misericórdia do Pai – Mas há também os penitentes públicos, que estão sendo preparados pela Igreja, para a reconciliação, eles também são os pródigos, que vêm buscando a misericórdia de seu Pai ofendido. Este Evangelho foi destinado a eles e aos catecúmenos. Mas agora que a Igreja relaxou sua disciplina severa, ela oferece esta Parábola para todos aqueles que estão em estado de pecado, e estão se preparando para fazer as pazes com Deus. Eles ainda não sabem quão bom é o Deus de quem se desviaram pelo pecado: que leiam o Evangelho de hoje e vejam como a Misericórdia se eleva acima do Juízo (Tg 2,13) naquele Deus que tanto amou o mundo que deu Seu Filho único (Jo 3,16). Até que ponto podem ter se desviado, ou quão grande pode ter sido sua ingratidão, mas tomem coragem: uma festa está sendo preparada na Casa do Pai, para recebê-los de volta em casa. O Pai amoroso está esperando na porta para recebê-los e abraçá-los; o primeiro manto, o manto da inocência, deve ser restaurado para eles; o anel, que somente os filhos da casa e que são da família de Deus usam, será agora mais agradável ​​em suas mãos. Há um Banquete sendo preparado para eles, no qual os Anjos, por alegria, cantarão suas canções alegres. Que esses pobres pecadores clamem com um coração contrito: “Pai! Pequei contra o céu e contra ti, agora não sou digno de ser chamado teu filho; faz-me como um dos teus empregados.” Este Pai de coração bondoso não pede muito: só uma sincera tristeza pelos seus pecados, humilde confissão e firme resolução de ser fiel no futuro. Deixe-os aceitar esses termos fáceis, e ele os receberá, mais uma vez, como seus filhos mais queridos.


ORAÇÃO SOBRE O POVO

Oremos. Humilhai as vossas cabeças diante de Deus.

NÓS Vos rogamos, Senhor, guardai a vossa família com a vossa contínua misericórdia, a fim de que, confiando unicamente no auxílio da graça celeste, seja também munida da proteção do céu. Por Nosso Senhor.




#gueranger #comentariosliturgicos #missatridentina #anoliturgico #quaresma

SIGA-NOS:

  • YouTube
  • Twitter ícone social
  • Pinterest
  • Facebook ícone social

© 2019 Apostolado FERR - Forma Extraordinária do Rito Romano