OS PARAMENTOS SAGRADOS






1. As cores dos paramentos em geral[1]

Os paramentos do altar, do celebrante e dos ministros devem ser da cor própria do Ofício e da Missa do dia ou de outra Missa que deve ser celebrada, segundo o uso da Igreja Romana, a qual acostumou usar cinco cores: o branco, o vermelho, o verde, o roxo e o preto.

2. Entretanto, conservam todo seu valor, os indultos e os costumes legítimos acerca do uso de outras cores.

3. A cor dos paramentos das Missas votivas deve ser a apropriada para cada Missa; mas nas Missas votivas Rezadas de IV classe não conventuais, se pode empregar também a cor do Ofício do dia, guardando a cor roxa e preta unicamente para as Missas às quais compete per se.


4. O uso e a qualidade dos paramentos[2]

Na Missa, o sacerdote celebrante usa sempre planeta ou casula. O Bispo, e os demais que gozam do usu Pontificalium, se celebram solenemente, se revestem com a casula sobre a dalmática e a tunicela.

5. Igualmente, o Bispo se veste com a casula sobre a dalmática e a tunicela, mesmo nas Missas Rezadas: a) na consagração do Bispo; b) na colação das Ordens; c) na bênção do Abade; d) na bênção da Abadessa; e) na bênção e consagração das Virgens; f) na consagração da igreja e do altar.

Entretanto, o Bispo e os demais de quem se falou acima, por uma causa razoável, podem abster-se de colocar a dalmática e a tunicela debaixo da casula.


6. Emprega-se o pluvial: a) no Ofício de Laudes e de Vésperas, quando se rezam solenemente; b) nas bênçãos que se fazem no altar; c) nas procissões; d) na absolvição sobre o cadáver e sobre o túmulo; e) na Missa Pontifical, pelo presbítero assistente; f) nas “orações solenes” da Ação Litúrgica da sexta-feira santa na Paixão e Morte do Senhor; g) na Vigília Pascal.

Quando o celebrante usa pluvial, nunca se emprega o manípulo; e se não se pode ter o pluvial, nas bênçãos que se efetuam sobre o altar, o sacerdote está de pé, vestido de alva e estola, sem casula e manípulo.


7. A dalmática e a tunicela são usadas pelo diácono e o pelo subdiácono respectivamente, quando ajudam ao sacerdote: a) na Missa; b) nas bênçãos no altar; c) nas procissões.

Entretanto, quando o sacerdote está sem pluvial, também os ministros estão sem dalmática e tunicela. Não se deve usar as casulas dobradas (plicatae) e o estolão.


 

[1] RG n. 117 e RM n. 323. [2] RG nn. 133-137.


0 comentário

Posts recentes

Ver tudo